ONU condena onda de ataques mortais em Bagdá

Já foram confirmadas 34 pessoas mortas e 160 feridas em decorrência dos ataques. “Nada pode justificar tais crimes hediondos”, afirmou enviado da ONU.

Foto: UNAMIO enviado das Nações Unidas ao Iraque condenou veementemente nesta terça-feira (19) a onda de ataques coordenados com carros-bomba e a tiros que matou e feriu dezenas de civis em diversas áreas da capital Bagdá.

“Mais uma vez, pessoas inocentes foram atacadas violentamente. Nada pode justificar tais crimes hediondos”, afirmou o Representante Especial do Secretário-Geral e chefe da Missão de Assistência das Nações Unidas para o Iraque (UNAMI), Martin Kobler.

De acordo com relatos da mídia, os ataques e bombardeios foram principalmente com carros-bomba direcionados a pequenos restaurantes, grupos de trabalhadores e paradas de ônibus em Bagdá durante a hora mais movimentada da manhã. Um suicida dirigindo um caminhão também atacou uma base da polícia em uma cidade ao sul da capital.

Já foram confirmadas 34 pessoas mortas e 160 feridas em decorrência dos ataques.

Kobler estendeu suas sinceras condolências às famílias das vítimas e desejou rápida recuperação para os feridos.

Ban pede proteção de grupo iraniano

Na segunda-feira (18), o Secretário-Geral Ban Ki-moon, em um novo relatório, a levantou preocupação sobre as tensões políticas e incidentes de segurança no país – que aumentaram nos últimos meses – e pediu a todas as partes para resolverem as questões pendentes através do diálogo.

Separadamente, Ban e o Alto Comissário da ONU para Refugiados, António Guterres, saudou uma oferta feita pela Albânia de admissão humanitária de 210 moradores do campo de Hurriya, localizado perto da capital iraquiana.

O campo serve como uma facilidade de trânsito para mais de 3 mil exilados, a maioria deles membros de um grupo conhecido como Mojahedeen Popular do Irã, onde um processo para determinar o status de refugiado está sendo realizado pela agência de refugiados da ONU (ACNUR). Um ataque contra o acampamento no mês passado, deixou sete pessoas mortas e mais de 40 feridos.

“Ele espera e exorta os moradores a responder positivamente à oferta da Albânia e de cooperar com o ACNUR para se mudar nos próximos dias”, disse um comunicado divulgado pelo porta-voz de Ban Ki-moon. “O Secretário-Geral exorta os Estados-Membros a seguir o exemplo e oferecer aos moradores uma transferência segura para fora do Iraque, à luz de sua necessidade de proteção internacional.”

O comunicado acrescenta que Ban Ki-moon “apoia inequivocamente” os esforços de Martin Kobler de, “com coragem e criatividade, em circunstâncias excepcionalmente difíceis, ajudar a resolver esta situação”.