ONU condena mortes de mais dois jornalistas no Iraque

Adel Mohsen Hussien e Wahdan Al-Hamdani foram assassinados em 2 de dezembro e 27 de novembro, elevando para sete o número total de jornalistas mortos no Iraque este ano.

Foto: ONU

Foto: ONU

Após assassinatos de mais dois jornalistas no Iraque, Adel Mohsen Hussien e Wahdan Al-Hamdani, a diretora-geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), Irina Bokova, expressou mais uma vez preocupação com a segurança de todos os profissionais de mídia no país.

Em comunicado, a UNESCO afirma que Hussien tinha 43 anos, era escritor, jornalista e representante da Associação Iraquiana de Defesa dos Direitos dos Jornalistas. Ele foi morto a tiros por homens armados não identificados na cidade de Mosul, no norte do Iraque, em 2 de dezembro.

Al-Hamdani trabalhava para o canal Al Taghee – que tem sede em Bagdá – e foi morto em 27 de novembro enquanto cobria um funeral em Basra.

“É essencial que as autoridades investiguem e levem à justiça os responsáveis por crimes contra profissionais de mídia, que afetam toda a sociedade iraquiana”, disse Bokova.

Com essas duas últimas mortes, o número total de jornalistas mortos no Iraque este ano aumenta para sete.