ONU condena como ‘atos degradantes’ os ataques do Boko Haram no norte da Nigéria

Homem próximo a sua casa destruída em Baga, estado de Borno, na Nigéria, após os intensos combates entre as forças militares da Nigéria, Níger e Chade e o Boko Haram. Foto: IRIN/Aminu Abubakar

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou fortemente os ataques mortais contra vários civis no norte da Nigéria na semana passada pelo grupo Boko Haram.

Segundo relatos, o grupo terrorista matou pelo menos duas mil pessoas na cidade de Baga, no estado de Borno, próximo à fronteira da Nigéria com o Chade, na semana passada. Esta teria sido uma das piores atrocidades já cometidas pelo grupo, segundo os relatos de organizações locais.

Além disso, uma menina de 10 anos foi usada para detonar uma bomba em um mercado em Maiduguri, no mesmo estado, matando cerda de 19 pessoas.

Ban Ki-moon considerou tais ataques como “atos degradantes” e reforçou a disponibilidade da ONU em ajudar o governo nigeriano e os países vizinhos afetados a buscar um fim para esta violência, bem como aliviar o sofrimento dos civis com todos meios e recursos disponíveis.

“As palavras por si só não podem expressar a nossa indignação, nem aliviar a agonia de todos aqueles que sofrem da constante violência no norte da Nigéria”, disse o chefe do Fundo da ONU para Infância (UNICEF), Anthony Lake.

Na ocasião, ele relembrou à comunidade internacional as 200 meninas sequestradas em uma escola na Nigéria, e que até o momento continuam desaparecidas, pelo grupo terrorista no ano passado.

Após os ataques do Boko Haram na Nigéria, a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) informou que o número de refugiados nigerianos em busca de segurança no Chade quadruplicou. Cerca de 7.300 nigerianos estão no Chade ocidental, hospedados com as comunidades locais.

“Mas as imagens dos últimos dias têm implicações no futuro da Nigéria e devem encorajar uma ação efetiva. Porque isso não pode continuar”, concluiu Lake.