ONU condena ataques ‘covardes’ contra capacetes-azuis e tropas nacionais no Mali

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Na manhã desta terça-feira (18), um veículo da Missão de Paz da ONU no Mali (MINUSMA) foi atingido por uma explosão provocada por minas ou outros dispositivos balísticos enquanto rodava por uma região a cerca de 30 quilômetros ao sul de Tessalit. No mesmo dia, tropas do país africano foram atacadas por homens armados não identificados a 120 quilômetros ao leste de Timbuktu.

Forças de paz da ONU patrulham a região de Tessalit, no norte do Mali. Foto: MINUSMA/Marco Dormino

Forças de paz da ONU patrulham a região de Tessalit, no norte do Mali. Foto: MINUSMA/Marco Dormino

Na manhã desta terça-feira (18), um veículo da Missão de Paz da ONU no Mali (MINUSMA) foi atingido por uma explosão provocada por minas ou outros dispositivos balísticos enquanto rodava por uma região a cerca de 30 quilômetros ao sul de Tessalit. No mesmo dia, tropas do país africano foram atacadas por homens armados não identificados a 120 quilômetros ao leste de Timbuktu.

No ataque em Tessalit, dois oficiais da ONU e um civil ficaram gravemente feridos. O automóvel e também um veículo que escoltava um comboio de logística ficaram danificados.

Em Gourma Rharous, onde os militares das Forças Armadas do Mali e da Guarda Nacional ficaram sob fogo inimigo, foi necessário recorrer aos helicópteros da MINUSMA usados em ofensivas militares. Aeronaves deram apoio aos oficiais e ajudaram na evacuação dos feridos.

Em comunicado emitido após os episódios, o chefe da MINUSMA, Mahamat Saleh Annadif, condenou o que chamou de “ataques covardes” aos militares nacionais e estrangeiros atuando na nação. “Raramente há um dia em que não recebemos notícias de atos abomináveis de terrorismo cometidos pelos inimigos da paz e pelos inimigos desse país e de seu povo”, lamentou o dirigente.

Annadif acrescentou que “o alvo real (dos atentados) é o processo de paz e seu objetivo é impor o reino da violência e do caos”. O líder da Missão da ONU enfatizou ainda que os partidos do Mali devem redobrar seus esforços em prol das negociações pela paz.


Comente

comentários