ONU condena ataques às tropas da União Africana na Somália

Homens e manifestantes armados atacaram soldados da AMISOM no último domingo (19) na região de Hiiraan, enviados para conter as rivalidades entre clãs locais.

Membros do contingente Djibouti, da AMISOM, que servem na região de Hiiraan. Foto: Ilyas Abukar / APIS

Membros do contingente Djibouti, da AMISOM, que servem na região de Hiiraan. Foto: Ilyas Abukar / APIS

O enviado da ONU para a Somália condenou na segunda-feira (20) o ataque às forças da Missão da União Africana na Somália (AMISOM) que atuam na região de Hiiraan, localizada no centro do país.

“Eu condeno os ataques de ontem às tropas da AMISOM no vilarejo de Deefow, em Hiiraan. Os soldados estavam no local para acalmar a situação e promover a reconciliação”, declarou o representante especial do secretário-geral e chefe da Missão de Assistência das Nações Unidas na Somália (UNSOM), Nicholas Kay,  em um comunicado à imprensa.

Segundo a ONU,os soldados foram enviados para ajudar a restaurar a paz e conter as rivalidades entre clãs locais. Durante sua missão na manhã do domingo (19), homens e manifestantes armados bloquearam e atacaram as tropas da AMISOM.

“A situação não será resolvida com mais violência. Líderes locais e anciãos tradicionais devem trabalhar juntos para acalmar a situação e resolverem suas diferenças por meio do diálogo pacífico em plena cooperação com os governos regional e federal”, disse Kay.

O enviado especial também ressaltou que o povo somali já sofreu o suficiente e sabem que a violência e a insegurança não trazem nada positivo.

“Permanecemos comprometidos em apoiar o povo somali, o governo federal e a AMISOM, desde que trabalhem juntos para restaurar a paz”, afirmou Kay,  expressando suas condolências às famílias e amigos dos que foram mortos ou feridos no conflito.