ONU condena ataque suicida no Afeganistão que matou 16 pessoas e feriu pelo menos 40

Segundo relatos, um homem-bomba detonou explosivos entre um grupo de civis que participavam em uma manifestação pacífica contra a corrupção na cidade de Khost.

O representante da ONU no Afeganistão condenou nesta quinta-feira (02) “nos termos mais fortes” o ataque suicida na cidade de Khost, no leste do país, que teria deixado dezenas de mortos e feridos.

Segundo relatos, um homem-bomba detonou explosivos entre um grupo de civis que participavam em uma manifestação pacífica contra a corrupção, não muito longe da residência do governador da província de Khost. O ataque matou 16 pessoas e feriu pelo menos 40, incluindo quatro crianças.

“Um ataque como esse, que tem como alvo deliberadamente um grupo de civis, é uma atrocidade”, declarou o representante especial do secretário-geral e chefe da Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA), Nicholas Haysom. “Os responsáveis por este cruel crime devem ser responsabilizados.”

Este atentado é o último de uma série de ataques que fizeram de 2014 o anos mais mortal para os civis, de acordo com um relatório da UNAMA lançado em fevereiro.

No ano passado 3.699 civis foram mortos e 6.849 ficaram feridos no país – o maior número de vítimas civis registrado em um único ano desde que a ONU começou a acompanhar o processo, em 2007.