ONU condena ataque a civis no nordeste da Nigéria; 34 pessoas foram mortas

Denunciando um ataque contra civis na região nordeste da Nigéria, um funcionário humanitário das Nações Unidas pediu a todas as partes envolvidas no conflito que cessem imediatamente as hostilidades e garantam a proteção dos civis.

Segundo os últimos relatos, pelo menos 34 pessoas foram mortas e mais de 90 ficaram feridas no ataque que ocorreu em 1º de abril próximo a Belle Village, na periferia de Maiduguri, capital do estado de Borno.

Escolas queimadas pela Boko Haram em 2013 em Maiduguri, capital do estado de Borno, nordeste da Nigéria. A violência na região já custou mais de 20 mil vidas e milhares de meninas, meninos, mulheres e homens foram sequestrados por grupos armados. Foto: IRIN/Aminu Abubaka

Escolas queimadas pela Boko Haram em 2013 em Maiduguri, capital do estado de Borno, nordeste da Nigéria. A violência na região já custou mais de 20 mil vidas e milhares de meninas, meninos, mulheres e homens foram sequestrados por grupos armados. Foto: IRIN/Aminu Abubaka

Denunciando um ataque contra civis na região nordeste da Nigéria, um funcionário humanitário das Nações Unidas pediu a todas as partes envolvidas no conflito que cessem imediatamente as hostilidades e garantam a proteção dos civis.

Segundo os últimos relatos, pelo menos 34 pessoas foram mortas e mais de 90 ficaram feridas no ataque que ocorreu em 1º de abril próximo a Belle Village, na periferia de Maiduguri, capital do estado de Borno.

“Cidadãos inocentes continuam a sofrer diariamente de ataques diretos e indiscriminados no nordeste da Nigéria [e] um número interminável de explosões, assassinatos brutais, sequestros e saques continuam a arrancar a vida de mulheres, crianças e homens diariamente”, disse Yassine Gaba, coordenador humanitário da ONU, em um comunicado de imprensa nessa segunda-feira (2).

“Eu peço a todas as partes envolvidas no conflito que acabem com essa violência e respeitem a vida e a dignidade humanas.”

A situação no nordeste da Nigéria tem testemunhado uma deterioração constante nas últimas semanas, particularmente nos estados de Borno, Adamawa e Yobe.

Desde o início do ano, pelo menos 120 mulheres, crianças e homens foram mortos e mais de 210 gravemente feridos, em mais de 22 ataques supostamente realizados por grupos armados não estatais que têm como alvo diretamente os civis.

Particularmente preocupante é a segurança de mulheres e meninas, que permanecem em constante ameaça de graves violações dos direitos humanos e violência baseada em gênero, bem como de sequestro.

No dia 19 de fevereiro, 110 meninas de escola foram sequestradas em um ataque em Dapchi, estado de Yobe. Em 2014, a região testemunhou um dos piores incidentes do tipo, em que mais de 270 meninas foram sequestradas de uma escola do governo em Chibok.

A violência e a insegurança na região deixaram cerca de 7,7 milhões de pessoas com extrema necessidade de assistência humanitária – especialmente comida, abrigo, água, cuidados de saúde e proteção.

Desde o início do conflito, em 2009, mais de 20 mil pessoas foram mortas; milhares de meninas, mulheres, meninos e homens foram sequestrados; e as crianças continuam a ser usadas rotineiramente para os chamados bombardeios “suicidas”.