ONU comemora redução da incidência de malária, um dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Neste ano, a África apresentou o menor número de casos de malária da história. Presidente da Assembleia Geral da ONU defende erradicação da doença até 2030 por meio dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Foto: Roll Back Malaria Partnership (RBM)/Benjamin Schilling l PSI

Foto: Roll Back Malaria Partnership (RBM)/Benjamin Schilling l PSI

Próximo ao fim dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) – conjunto de oito objetivos acordados mundialmente em 2000 para acabar com a extrema pobreza e doença em 2015 -, líderes globais, diplomatas e especialistas na área da saúde se reuniram na sede das Nações Unidas em Nova York, nesta quinta-feira (19), para comemorar o progresso do Objetivo 6, de reduzir a incidência da malária até 2015.

Com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) adotados em setembro, a Iniciativa Fazer Recuar a Malária e a Organização Mundial da Saúde lançaram uma nova estratégia específica para melhorar os sistemas de saúde e assim eliminar a malária até 2030.

“Com uma coordenação mais forte feita pela iniciativa Fazer Recuar a Malária e com maior financiamento, as taxas de mortalidade global diminuíram para mais de metade desde 2000, e o Objetivo de Desenvolvimento do Milênio direcionado à malária foi atingido”, declarou o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

O avanço no combate à doença preveniu mais de 6,2 milhões de mortes, sendo cerca de 97% delas de crianças. Apenas na África, onde 90% dos casos de malária seguidos de morte acontecem, houve redução de cerca de 69% da mortalidade da doença entre crianças abaixo de 5 anos desde 2000.

Neste ano, a África apresentou o menor número de casos de malária da história, e países estão fazendo acordos regionais nas Américas, Mediterrâneo Oriental, Ásia-Pacífico e África, para focar na eliminação da doença.