ONU: Combate a crimes transnacionais depende de cooperação internacional

Segmento de alto nível no primeiro dia de evento em Doha. Foto: ONU/DPI

Em um evento do 13º Congresso da ONU de Prevenção do Crime e Justiça Criminal sobre cooperação internacional, realizado nesta quinta-feira (16), os delegados dos países presentes concluíram que “promessas de papel”, incluindo instrumentos globais e as resoluções do Conselho de Segurança, não foram suficientes para combater com sucesso a corrupção, o terrorismo e outras atividades criminosas transfronteiriças.

Para realizá-lo com sucesso é necessária a implementação rápida e eficaz desses instrumentos e um espírito de colaboração, disseram os participantes. Eles também desencorajaram a criação de novos instrumentos de combate ao crime porque, de acordo com o representante alemão, isso poderia dificultar o trabalho prático, destacando que a coexistência de diferentes tratados muitas vezes era “confuso” para a prática legal.

Na visão de muitos dos participantes, a cooperação entre os Estados e regiões é absolutamente essencial para o combate ao terrorismo. Para investigar, processar e punir os atos de terrorismo, a capacitação é fundamental para a efetiva cooperação internacional, em especial se o objetivo for abordar as ameaças sem precedentes originadas por combatentes terroristas estrangeiros.

A cooperação internacional foi o pilar das ações apoiadas pela Declaração de Doha, que foi aprovada por unanimidade na abertura do Congresso. Os Estados-membros apoiaram uma série de ferramentas e abordagens para combater a criminalidade, incluindo os esforços para promover e reforçar a cooperação internacional e regional para desenvolver ainda mais a capacidade dos sistemas nacionais de justiça penal, tais como a modernização e reforço da legislação.

Acompanhe o evento em https://nacoesunidas.org/crime2015