ONU cobra ação regional contra o tráfico de pessoas após descoberta de corpos de migrantes na Tailândia

As autoridades tailandesas anunciaram esta semana que encontraram restos de cerca de 30 pessoas que acreditam ser de Mianmar e Bangladesh.

Os moradores locais do estado do Arracão, em Mianmar, dizem que este canal perto da cidade de Sittwe é usado por traficantes para o embarque dos migrantes antes de sair para a Baía de Bengala. Foto: ACNUR / V.Tan

Os moradores locais do estado do Arracão, em Mianmar, dizem que este canal perto da cidade de Sittwe é usado por traficantes para o embarque dos migrantes antes de sair para a Baía de Bengala. Foto: ACNUR/V.Tan

A Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR) expressou na última quarta-feira (06) sua profunda preocupação com a descoberta de dezenas de corpos em campos controlados por traficantes de pessoas na Tailândia, pedindo um esforço regional para acabar com o tráfico de pessoas e proteger aqueles que escapam de condições difíceis das “mãos de traficantes impiedosos.”

“É angustiante saber que pessoas que escaparam de dificuldades na sua terra natal tem que colocar suas vidas nas mãos de contrabandistas para serem mortos antes mesmo de encontrarem um lugar seguro”, disse o representante regional e coordenador do ACNUR para o sudeste asiático, James Lynch.

As autoridades tailandesas anunciaram esta semana que encontraram restos de cerca de 30 pessoas que acreditam ser de Mianmar e Bangladesh, de acordo com um comunicado de imprensa emitido pelo ACNUR em Bangkok, na Tailândia.

“As investigações continuam, com relatos policiais iniciais citando doenças e abusos como causas prováveis da morte,” segundo o ACNUR.