ONU capacita oficiais do Exército para combater exploração sexual de venezuelanos em Roraima

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Em Boa Vista, cerca de 170 cabos e soldados do Exército Brasileiro participaram na quarta-feira (6) de um curso da ONU sobre proteção contra a exploração e o abuso sexuais. Formação abordou como esses crimes ocorrem em situações de deslocamento forçado e fluxos migratórios mistos, que reúnem refugiados e migrantes, como é o caso dos venezuelanos que chegam ao Brasil pelo estado de Roraima.

Cerca de 170 cabos e soldados do Exército participaram de treinamento em Boa Vista. Foto: UNFPA Brasil

Cerca de 170 cabos e soldados do Exército participaram de treinamento em Boa Vista. Foto: UNFPA Brasil

Em Boa Vista, cerca de 170 cabos e soldados do Exército Brasileiro participaram na quarta-feira (6) de um curso da ONU sobre proteção contra a exploração e o abuso sexuais. Formação abordou como esses crimes ocorrem em situações de deslocamento forçado e fluxos migratórios mistos, que reúnem refugiados e migrantes, como é o caso dos venezuelanos que chegam ao Brasil pelo estado de Roraima.

Promovida pelo Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), em parceria com o Fundo da ONU para a Infância (UNICEF) e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), a atividade teve como público-alvo os oficiais que integram a Operação Acolhida, para interiorizar venezuelanos e levá-los para outros estados. Também participaram militares que trabalham com assistência humanitária em abrigos de Boa Vista e Pacaraima.

Representantes da ONU explicaram os conceitos de violência sexual e tráfico de pessoas – como identificar, estudos de caso e mitos e verdades acerca da temática. Também foram discutidos os princípios do organismo internacional e do Exército sobre como agir diante de ocorrências ou evidências dos crimes.

A capacitação é a segunda do tipo já realizada em Roraima. Em maio, o mesmo treinamento formou os 25 generais e majores do Exército que coordenaram a Operação Acolhida e que lideram as ações humanitárias nos abrigos.


Mais notícias de:

Comente

comentários