ONU Brasil participa de discussão em Brasília sobre políticas públicas para cidadania

O Ministério da Cidadania realizou na terça e quarta-feira (17 e 18) em Brasília (DF) seminário para discutir cooperação internacional em políticas públicas para desenvolvimento social, cultural e esportivo no país.

O evento reuniu representantes de governos estrangeiros, organismos internacionais e entidades do terceiro setor, assim como agências, fundos e programas das Nações Unidas.

Na abertura do encontro, o coordenador-residente do Sistema ONU no Brasil, Niky Fabiancic, explicou que as entidades das Nações Unidas trabalham a partir de diferentes mandatos para contribuir para o desenvolvimento socioeconômico e ambiental do país e para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Ministério da Cidadania realizou na terça e quarta-feira (17 e 18) em Brasília (DF) seminário para discutir cooperação internacional em políticas públicas para desenvolvimento social, cultural e esportivo no país.

O evento reuniu representantes de governos estrangeiros, organismos internacionais e entidades do terceiro setor, assim como agências, fundos e programas das Nações Unidas.

Representantes de Uruguai, Argentina, Honduras, Etiópia e Cabo Verde participaram da troca de experiências com o governo brasileiro e com entidades da ONU Brasil durante o Seminário de Políticas Públicas para a Cidadania e Cooperação Internacional.

Na abertura do encontro, o coordenador-residente do Sistema ONU, Niky Fabiancic, explicou que as entidades da ONU Brasil trabalham a partir de diferentes mandatos para contribuir para o desenvolvimento ambiental, econômico e social do país e para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Ele destacou exemplos de colaboração entre ONU e governo brasileiro que afetam positivamente a vida da população.

“Nossa equipe possui a experiência e os conhecimentos técnicos necessários para prestar apoio ao Ministério da Cidadania e demais órgãos do governo brasileiro de forma isenta e a partir das prioridades do Brasil”, afirmou Fabiancic.

“Contribuímos para a internalização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e sua tradução em políticas públicas eficazes, que levem o Brasil rumo ao pleno desenvolvimento ambiental, social e econômico, sem deixar ninguém para trás”, concluiu.

O diretor da Agência Brasileira de Cooperação (ABC), embaixador Ruy Pereira, também integrou a mesa de abertura, afirmando que o Estado brasileiro vem aperfeiçoando suas políticas para a cidadania com a contribuição de entidades internacionais e de países parceiros.

“O Brasil ocupa posição de destaque para a cooperação internacional com países em desenvolvimento, contribuindo para o desenvolvimento econômico e social desses países”, disse. “A troca de experiências e conhecimentos beneficia não somente os países parceiros e suas populações, mas também as mais de 100 instituições cooperantes brasileiras”, completou.

De acordo com o ministro da Cidadania, Osmar Terra, o encontro foi uma oportunidade para apresentar e explicar como se dão as políticas públicas do governo brasileiro e firmar parcerias internacionais.

“É importante fazer com que as populações brasileiras e populações de países amigos tenham condições de oferecer o direito à cidadania. Nós, do governo, temos que ter melhores condições de aplicar políticas públicas voltadas ao exercício do direito à cidadania”, explicou.

Como parte da programação do evento, representantes de países parceiros realizam na quinta-feira (19) visitas técnicas a um Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), a uma Estação Cidadania e a instalações que recebem o Segundo Tempo, programa de promoção do esporte que atende jovens de 6 a 17 anos, moradores de áreas de maior vulnerabilidade social e matriculados na rede pública de ensino.