ONU: Brasil e Alemanha impulsionam resolução para proteger privacidade no ciberespaço

No ano passado, ambos os países formularam uma resolução que defende o direito à privacidade e insta os Estados a tomar medidas para pôr fim às atividades que violem este princípio.

Foto: Flickr/Yuri Samoilov (Creative Commons)

Foto: Flickr/Yuri Samoilov (Creative Commons)

As pessoas que utilizam as novas tecnologias, como a Internet, devem poder “estabelecer limites” para proteger seus dados pessoais, afirmou o porta-voz da Missão Permanente da Alemanha junto às Nações Unidas durante o debate sobre o direito à privacidade na era digital, na última terça-feira (11).

Christian Dokton frisou a importância dessa discussão globalmente, já que é um tema que afeta a todos. No ano passado, o Brasil e a Alemanha formularam uma resolução que defende o direito à privacidade e insta os Estados a tomar medidas para pôr fim às atividades que violem este princípio. O documento conseguiu o apoio de 55 países.

“Todo o mundo usa a Internet. Esta iniciativa não vai direcionada contra nenhum país em concreto, mas queremos alcançar um entendimento com todos os países sobre o que significa a privacidade na era digital e sobre onde devemos fixar limites para esse desenvolvimento tecnológico tão rápido que estamos vendo”, afirmou.

O texto da resolução pede à Assembleia Geral da ONU que faça uma declaração sobre como a vigilância em massa, a intercepção das comunicações e a recopilação dos dados pode afetar uma ampla gama de direitos humanos.