ONU avalia avanços de projeto que visa ao desenvolvimento do semiárido no Piauí

O governo do Piauí finalizou na quinta-feira (24) a missão de supervisão do projeto Viva o Semiárido com a assinatura de um memorando entre o estado e Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), das Nações Unidas. O trabalho teve como objetivo acompanhar os avanços e as dificuldades enfrentadas durante a execução do projeto que visa ao desenvolvimento das comunidades rurais do estado.

Cooperativas que recebem apoio da ONU e do governo no semiárido piauiense. Foto: FIDA/Manoela Cavadas

Cooperativas que recebem apoio da ONU e do governo no semiárido piauiense. Foto: FIDA/Manoela Cavadas

O governo do Piauí finalizou na quinta-feira (24) a missão de supervisão do projeto Viva o Semiárido com a assinatura de um memorando entre o estado e Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), das Nações Unidas. O trabalho teve como objetivo acompanhar os avanços e as dificuldades enfrentadas durante a execução do projeto que visa ao desenvolvimento das comunidades rurais do estado.

A missão teve início em 14 de maio com visitas realizadas a Planos de Investimentos Produtivos (PIPs) em vários municípios do semiárido piauiense, onde o FIDA atua. Essa etapa foi realizada por oito consultores da agência, acompanhados de representantes da Secretaria de Desenvolvimento Rural do estado e de empresas prestadoras de assessoria técnica.

O diretor de inclusão produtiva da secretaria, Francisco Ribeiro, afirmou que foram visitados 12 projetos em dez municípios do Piauí, na maior missão FIDA no estado. “Deu para ter uma boa visão dos trabalhos que estão sendo executados pelo Viva o Semiárido, e pudemos ver que atingimos mais de 50% de execução financeira e estamos próximos da execução física. Foi tratado também sobre o aditivo de 20 milhões de reais que está aprovado, aguardando apenas a tramitação no Brasil”, enfatizou.

De acordo com Hardi Vieira, oficial de projetos do FIDA no Brasil, a missão fez uma avaliação positiva da implementação do Viva o Semiárido e fechou acordo com o estado sobre ajustes importantes para trazer mais eficiência em sua execução.

“As propostas de ajustes são referentes ao modelo de assessoria técnica sistemática contratada pelo Viva o Semiárido. Outro ponto tem a ver com a aceleração da implementação e operação dos PIPs; que somam, até o momento, 140 planos aprovados e com expectativa de chegar a 178, fortalecendo cadeias produtivas-chave, como apicultura, cajucultura, ovinocaprinocultura e avicultura, gerando emprego e renda à população no semiárido do Piauí”, destacou.

Segundo o oficial, outra recomendação foi trazer multidisciplinaridade aos planos de investimento, abordando temas como a questão hídrica e horticultura, no âmbito dos quintais produtivos.

“Acreditamos que, com esses ajustes, o Viva o Semiárido terá um grande sucesso em sua implementação, pavimentando o início do Viva Semiárido Mais, representando um aditivo de cerca de 140 milhões de reais. Estamos muito confiantes no êxito das operações do Viva o Semiárido que, seguramente, chegará ao seu fim em plena execução das atividades implementadas”, declarou.

A novidade da última missão foi o fato de, pela primeira vez, contar com uma especialista em meio ambiente e mudança climática. Para o FIDA, a participação desta consultoria foi de grande relevância, uma vez que o fundo internacional está começando a preparar o projeto Fundo Verde Global (GCF), que é um Fundo das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Mudanças Climáticas.

Hardi lembrou que o desenho desse projeto deve ser feito ainda este ano, e todo o Semiárido do Nordeste brasileiro vai fazer parte da área de cobertura com ações de sistemas agroflorestais de acesso à água. O Piauí será contemplado e as ações devem ser executadas já em 2019.

Governo do Piauí libera R$ 2,9 mi para Viva o Semiárido

A Secretaria do Desenvolvimento Rural do Piauí anunciou no início de maio (2) ter liberado, por meio do projeto Viva o Semiárido, 2,9 milhões de reais, que vão beneficiar diretamente 365 famílias dos municípios de Caldeirão Grande, Santa Rosa, Jaicós, Marcolândia, Campo Grande, Francisco santos, Dom Expedito Lopes, Territórios Vale do Itaim e Guaribas.

A secretária Desenvolvimento Rural do estado, Patrícia Vasconcelos, esteve nos municípios e assinou as autorizações e liberações, acompanhada do diretor de Inclusão Produtiva, Francisco das Chagas Ribeiro, do diretor técnico do Instituto de Assistência Técnica e Extensão Rural do Piauí (EMATER), Clébio Coutinho, e de autoridades como prefeitos e lideranças das cidades.

Do total de recursos, 1,9 milhão de reais foi liberado para as associações e será utilizado nos projetos desenvolvidos nas localidades. O restante será liberado nos próximos dias.

Maria Francisca de Aráujo, presidente da Associação Comunitária de Curimatá, da cidade de Caldeirão Grande, disse que o momento é de conquistas para as famílias que vão ter a oportunidade de melhorar a qualidade de vida.

“Os projetos desenvolvidos através do Viva o Semiárido geram renda e, por isso, estamos muito animados com esta aprovação e liberação de recursos para a localidade. Agora, vamos poder investir na criação de galinha caipira, adquirir o que é necessário, uma balança, um freezer, até uma moto com reboque e kit de informática que serão utilizados pelos jovens nos cursos”, declarou.