ONU aumenta apoio a venezuelanos e elogia ‘solidariedade extraordinária’ da Colômbia

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Com a ajuda da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), a Colômbia está mostrando “solidariedade extraordinária” com os deslocados da Venezuela em meio à crise econômica e política do país, disse o chefe da agência, Filippo Grandi, na terça-feira (9).

Em visita à Colômbia e a outros países da América Latina, o alto-comissário da ONU para os refugiados chamou a situação de “chocante” e elogiou a Colômbia por abrigar e cuidar dos venezuelanos em momentos críticos.

O alto-comissário da ONU para os refugiados, Filippo Grandi, visita comunidade de famílias venezuelanas em Cúcuta, na Colômbia. Foto: ACNUR/Fabio Cuttica

O alto-comissário da ONU para os refugiados, Filippo Grandi, visita comunidade de famílias venezuelanas em Cúcuta, na Colômbia. Foto: ACNUR/Fabio Cuttica

Com a ajuda da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), a Colômbia está mostrando “solidariedade extraordinária” com os deslocados da Venezuela em meio à crise econômica e política do país, disse o chefe da agência, Filippo Grandi, na terça-feira (9).

Com mais de 4 mil venezuelanos entrando na Colômbia todos os dias — tendo a intenção de ficar lá ou viajar ao Sul — os países vizinhos estão lutando para atender as necessidades de refugiados e migrantes.

Em visita à Colômbia e a outros países da América Latina, o alto-comissário da ONU para os refugiados chamou a situação de “chocante” e elogiou a Colômbia por abrigar e cuidar dos venezuelanos em momentos críticos.

“Estou impressionado com os esforços da Colômbia de documentar, alimentar, abrigar e cuidar de milhares de venezuelanos que chegam todos os dias”, disse Grandi. “Esta solidariedade extraordinária precisa de mais apoio internacional”.

O ACNUR informa que quase 2 milhões de venezuelanos fugiram de seu país desde 2015, em grande parte compelidos a sair em busca de mais segurança, renda e acesso a alimentos e remédios.

Com cerca de 1 milhão de venezuelanos atualmente na Colômbia, os governos locais estão trabalhando para garantir que eles possam acessar legalmente serviços e recursos essenciais e obter autorizações legais de trabalho.

Uma parada comum para os migrantes venezuelanos é a cozinha comunitária da Divina Providência; um centro localizado na região norte de Santander, a fronteira mais movimentada da Colômbia. De 80 a 100 voluntários colombianos e venezuelanos servem 3 mil cafés da manhã gratuitos e 3 mil almoços grátis todos os dias.

O apoio do ACNUR facilitou a disponibilidade de consultas médicas e legais no centro, mas o fluxo de venezuelanos sobrecarregou os serviços de saúde da região. Para aumentar a capacidade, a agência apoiou a criação de um novo centro de saúde destinado a prestar cuidados de primeiros-socorros e planejamento familiar.

Grandi acompanhará o fluxo de venezuelanos nos próximos dias, da Argentina ao Peru e ao Equador, para avaliar as necessidades de migrantes e refugiados, implicações regionais e discutir as melhores abordagens a serem adotadas pelos países anfitriões.


Mais notícias de:

Comente

comentários