ONU aprova fundo de US$50 milhões para ajuda humanitária no Iêmen

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Apesar do progresso do Iêmen no último mês ao reabrir os portos no Mar Vermelho para embarcações comerciais e de ajuda humanitária, as Nações Unidas anunciaram nesta sexta-feira (5) terem aprovado um fundo de emergência de 50 milhões de dólares em meio a preocupações diante dos crescentes confrontos e ataques aéreos no país.

A cidade de Saada, no Iêmen, foi fortemente atingida por ataques aéreos. Foto: OCHA/Philippe Kropf

A cidade de Saada, no Iêmen, foi fortemente atingida por ataques aéreos. Foto: OCHA/Philippe Kropf

Apesar do progresso do Iêmen no último mês ao reabrir os portos no Mar Vermelho para embarcações comerciais e de ajuda humanitária, as Nações Unidas anunciaram nesta sexta-feira (5) terem aprovado um fundo de emergência de 50 milhões de dólares em meio a preocupações diante dos crescentes confrontos e ataques aéreos no país.

“Esses recursos ajudarão a salvar vidas”, disse o coordenador humanitário da ONU, Mark Lowcock, ao anunciar que os recursos serão aplicados para apoiar 22 milhões de pessoas no Iêmen que precisam de assistência humanitária, incluindo mais de 8 milhões que estão “a um passo da fome”.

Ao mesmo tempo, ele enfatizou que, para reverter a catástrofe iminente no país, três coisas precisam acontecer. “Primeiro, é necessário haver uma redução tanto dos confrontos em terra como dos ataques aéreos, que foram intensificados nas últimas semanas”, disse.

O conflito armado está matando e ferindo iemenitas e destruindo infraestrutura necessária no país. O perigo e impedimentos burocráticos prejudicam a capacidade das equipes humanitárias de chegar àqueles que precisam, incluindo pessoas em risco de difteria — um surto crescente na maior parte das províncias iemenitas.

Lowcock disse que “as partes no conflito precisam cumprir suas obrigações sob a lei humanitária internacional para proteger civis e infraestrutura civil” e facilitar o acesso de parceiros humanitários.

“Em segundo lugar, precisamos que todos os portos permaneçam abertos sem interrupção. O Iêmen importa cerca de 90% de seus alimentos básicos e aproximadamente todo seu combustível e medicamentos, essenciais para a sobrevivência de milhões de pessoas.”

Em seguida, um volume maior de alimentos, combustíveis e medicamentos precisam ser importados.

“Em terceiro lugar, precisamos de um financiamento maior e mais generoso.”

Enquanto a ajuda humanitária salvou milhões de vidas em 2017, recentes restrições e confrontos intensos forçaram mais pessoas a recorrer a ela.

“O povo iemenita precisa do fim da guerra para que possam começar a reconstruir suas vidas. Para que isso possa acontecer, as partes em conflito precisam interromper as hostilidades e se engajar com a ONU para atingir um acordo político duradouro”, concluiu.


Comente

comentários