ONU apresenta propostas sobre combate à criminalidade para governo brasileiro

Com o objetivo de fortalecer parcerias para enfrentar o crime organizado, corrupção e violência, representantes do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) apresentaram na semana passada (26) um conjunto de propostas para o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP). Medidas abordam temas como lavagem de dinheiro, contrabando de migrantes e gestão prisional.

À esquerda, comitiva do UNODC durante reunião com representantes do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Foto: MJSP

À esquerda, comitiva do UNODC durante reunião com representantes do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Foto: MJSP

Com o objetivo de fortalecer parcerias para enfrentar o crime organizado, corrupção e violência, representantes do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) apresentaram na semana passada (26) um conjunto de propostas para o Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP). Medidas abordam temas como lavagem de dinheiro, contrabando de migrantes e gestão prisional.

Em reunião no Palácio da Justiça, profissionais da agência da ONU manifestaram interesse em ampliar a cooperação com a pasta federal em cinco áreas: gestão de bens apreendidos e combate à lavagem de dinheiro; enfrentamento do crime organizado e de mercados ilícitos para a redução de crimes violentos; combate ao crime organizado com foco em tráfico de pessoas e contrabando de migrantes; segurança prisional e prisioneiros de alto risco, incluindo facções criminosas; e qualificação da gestão prisional a partir de diretrizes e boas práticas internacionais.

Representantes do UNODC já haviam se reunido com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, no início de março (7). No encontro, foram discutidas ações para fortalecer a parceria institucional entre os organismos. O diálogo da última semana dá continuidade ao mapeamento de áreas estratégias do MJSP para a criação de projetos comuns entre a pasta e a agência da ONU.

A equipe do escritório das Nações Unidas que foi à sede do Ministério era formada por Rafael Franzini, representante regional do UNODC, Antonio Mazzitelli, chefe da Seção Regional para América Latina e Caribe, Nívio Nascimento, coordenador da Unidade de Estado de Direito do UNODC, Fernanda Fuentes, analista de programa para o enfrentamento do tráfico de pessoas e contrabando de migrantes, e Eduardo Pazinato, analista de programa.


Comente

comentários