ONU apresenta iniciativa global para gerar emprego para jovens, um dos maiores desafios contemporâneos

Entre os 200 milhões de desempregados estimados em 2014, 37% deles eram jovens; ONU propõe ações políticas entre líderes mundiais e interessados para gerar empregos.

Mercado precisa fazer mais investimentos para absorver jovens desempregados e novas gerações que se incorporarão. Foto: Programa Petrobras Jovens Aprendiz

Mercado precisa fazer mais investimentos para absorver jovens desempregados e novas gerações que se incorporarão. Foto: Programa Petrobras Jovens Aprendiz

Entre os 200 milhões de desempregados em 2014, 37% deles ou cerca de 73 milhões – tinham entre 15 e 24 anos. Para absorver esta parcela da população, como também os 40 milhões que entrarão no mercado de trabalho anualmente, a maioria deles jovens, as economias vão precisar gerar cerca de 475 milhões de empregos na próxima década, revelou a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) nesta segunda-feira (23).

A Iniciativa Global para Trabalhos Decentes para Jovens, apoiada pelo Conselho de Chefes Executivos das Nações Unidas, tem objetivo de ampliar a ação em apoio à criação de emprego para jovens, um dos maiores desafios globais contemporâneos. O projeto é apoiado pela UNIDO e outras agências da ONU.

A implementação do nono Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – que envolve construir infraestrutura resiliente, promover industrialização inclusiva e inovação – poderia gerar milhares de novos trabalhos e diversidade econômica.

De acordo com a agência da ONU, o projeto propõe envolver os principais interessados e líderes mundiais em ações políticas de alto nível sobre o emprego dos jovens; ampliar as políticas e intervenções nacionais e regionais para esse objetivo; reunir competências e melhorar o conhecimento sobre o que funciona para gerar trabalhos; e alavancar recursos de oportunidades existentes, ao mesmo tempo em que se mobiliza recursos adicionais.

“Esses objetivos são ainda mais importantes agora, à medida que lidamos com a maior crise de refugiados e de migração desde a Segunda Guerra Mundial. Precisamos acabar com as raízes do deslocamento, começando pelo fornecimento de oportunidades e empregos para jovens”, afirmou chefe da unidade de Investimento e Tecnologia da UNIDO, Monica Carco, que liderou o engajamento da agência na Iniciativa.