ONU apoia retorno voluntário de migrantes centro-americanos em caravana para os EUA

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Centenas de pessoas de países da América Central que se juntaram às caravanas humanas viajando em direção aos Estados Unidos foram apoiadas a voltar para casa voluntariamente, disse a Organização Internacional para as Migrações (OIM) na semana passada (30).

“A OIM está coordenando meios seguros e dignos de transporte para elas”, afirmou a agência da ONU em comunicado. “Migrantes que desejam voltar para casa são aconselhados e vistoriados pela OIM para avaliar suas opções antes de tomarem uma decisão de voltar”.

“Um programa de retornos voluntários é uma parte indispensável de uma abordagem abrangente ao gerenciamento de migração, mirando retornos ordenados e humanos e reintegração de migrantes que estão incapazes ou indispostos a permanecer em países hospedeiros ou de trânsito e desejam voltar voluntariamente para seus países de origem”, disse Marcelo Pisani, diretor regional da OIM para América Central, América do Norte e Caribe.

A primeira caravana de migrantes centro-americanos chegou à cidade de Matías Romero, em Oaxaca, no México, em 1º de novembro. O secretário mexicano de assuntos exteriores estima que 4 mil pessoas tenham passado a noite no local. Foto: OIM/ Rafael Rodríguez

A primeira caravana de migrantes centro-americanos chegou à cidade de Matías Romero, em Oaxaca, no México, em 1º de novembro. O secretário mexicano de assuntos exteriores estima que 4 mil pessoas tenham passado a noite no local. Foto: OIM/ Rafael Rodríguez

Centenas de pessoas de países da América Central que se juntaram às caravanas humanas viajando em direção aos Estados Unidos foram apoiadas a voltar para casa voluntariamente, disse a Organização Internacional para as Migrações (OIM) na semana passada (30).

A agência da ONU – segundo a qual 62% dos que se juntaram às caravanas estavam em busca de emprego – citou o depoimento de Dennis Javier, um dos migrantes que pediu apoio da OIM para retornar.

“Meu destino era os EUA, eu estava buscando um emprego”, disse. “Trabalhar é o que tenho feito desde os 11 anos. Mas vendo como as coisas estão, mudei de ideia, acho que o melhor é voltar a El Salvador”.

Mais de 450 migrantes foram ajudados a voltar para seus países de origem desde 4 de novembro através do programa de Retorno Voluntário Assistido da OIM, fundado pelo escritório do Departamento de Estado dos EUA para População, Refugiados e Migração.

De acordo com a agência da ONU, ao menos oito em cada dez pessoas que retornaram eram homens e uma em cada três tinha entre 19 e 25 anos. Seis em cada dez pessoas que se juntaram às caravanas eram de Honduras; quatro em cada dez eram de El Salvador e uma em cada 20 era da Guatemala.

Mais 25 crianças migrantes desacompanhadas foram levadas para casa de avião, segundo a OIM, acrescentando que na cidade mexicana de Tijuana – próxima à fronteira com os EUA – mais de 300 pessoas também pediram ajuda da agência para retornar.

“A OIM está coordenando meios seguros e dignos de transporte para elas”, afirmou a agência da ONU em comunicado. “Migrantes que desejam voltar para casa são aconselhados e vistoriados pela OIM para avaliar suas opções antes de tomarem uma decisão de voltar”.

Além de suas instalações em Tijuana, a OIM também administra centros de informação e registro em Tapachula, na Cidade do México, e em Tecun Uman, na Guatemala.

Para garantir a segurança dos migrantes, a OIM coordena o retorno com os governos dos respectivos países, enquanto os migrantes recebem alimentação e apoio psicossocial nas travessias fronteiriças. Quando chegam a centros de recepção em El Salvador, Honduras e Guatemala, também recebem kits de higiene e, em muitos casos, dinheiro de transporte.

De acordo com a OIM, embora um “grande número” de migrantes que se juntaram às caravanas tivesse “problemas musculares, fadiga e mal-estar, tosse e gripe”, quatro em cada cinco estavam em condições “saudáveis”.

Desde 1979, a OIM ajudou 1,5 milhão de migrantes a voltar para seus países de origem ou residência através de seu esquema de retornos assistidos.

“Um programa de retornos voluntários é uma parte indispensável de uma abordagem abrangente ao gerenciamento de migração, mirando retornos ordenados e humanos e reintegração de migrantes que estão incapazes ou indispostos a permanecer em países hospedeiros ou de trânsito e desejam voltar voluntariamente para seus países de origem”, disse Marcelo Pisani, diretor regional da OIM para América Central, América do Norte e Caribe.


Mais notícias de:

Comente

comentários