ONU apoia competição tecnológica do governo brasileiro para ampliar cobertura de vacinação

Vencedores do hackathon promovido pelo Ministério da Saúde, com a participação da OPAS, para promover soluções tecnológicas capazes de ampliar a cobertura de vacinação no Brasil. Foto: OPAS

Três soluções inovadoras para fortalecer a vigilância em saúde e aumentar a cobertura de vacinação no Brasil foram premiadas no sábado (22), em Brasília (DF), no “Desafio Zé Gotinha”, um hackathon proposto pelo Ministério da Saúde durante o evento de imersão tecnológica Campus Party Brasília. Competição teve o apoio e participação da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), uma agência das Nações Unidas.

Ao longo de três dias, equipes formadas por estudantes, programadores, designers, entre outros profissionais, desenvolveram ferramentas para o hackathon.

A terceira colocada, Nullstack, recebeu o prêmio das mãos de Carla Domingues, coordenadora do Programa Nacional de Imunizações. O seu grupo desenvolveu um jogo em 2D, com dois personagens que recebem dicas do Zé Gotinha sobre a importância das vacinas. A ideia do game é conscientizar jogadores e jogadoras sobre o tema.

O prêmio para a segunda colocada, a equipe Criados para Criar, foi dado por Socorro Gross, representante da OPAS no Brasil — a agência é o braço regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) nas Américas. O grupo elaborou um jogo para melhorar a forma como a população lida com a imunização. No game, o jogador recebe pontos ao frequentar unidades de saúde e fazer uma verificação de código QR. A proposta também inclui ações de marketing em saúde e vacinas.

A primeira colocada foi a MetaData, equipe formada por Bruno Morais, Leandro Silva, Marília Suzart, Samuel Ferreira e Thiago Aquino. A equipe se destacou por desenvolver uma plataforma web que ajuda no controle de áreas de vacinação, permitindo inclusive a visualização de informações sobre as crianças de até um ano de idade que não foram vacinadas — o sistema também permite a ampliação para outras faixas etárias.

“Também desenvolvemos um aplicativo para otimizar o trabalho dos profissionais de saúde, cadastrando a vacina em tempo real. O app escaneia a carteira de identidade e o rótulo da vacina para poder confirmar a informação sem precisar digitar todos os dados”, explicou a idealizadora do projeto, Marília Suzart.

O prêmio para a MetaData foi entregue pelo secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Oliveira. “Nós tivemos várias experiências interessantes. Essas ideias criativas que recebemos de todas as sete equipes serão trabalhadas no Ministério da Saúde, para que possamos aprimorar o desenvolvimento do Programa Nacional de Imunização”, afirmou o gestor.

A competição promovida pela pasta foi uma das ações do Movimento Vacina Brasil — que tem o apoio da OPAS. Essa iniciativa foi criada pelo governo federal brasileiro para reverter o quadro de quedas das coberturas vacinais no país nos últimos anos.

Campus Party

Encerrada neste domingo (23), a terceira edição da Campus Party Brasília reuniu mais de 100 mil pessoas no Estádio Mané Garrincha para palestras, workshops, hackathons, participação em games, simuladores e outras atrações. Em 2019, o tema do encontro foi a Indústria 4.0.

No Brasil, o evento é realizado pelo Instituto Campus Party, uma associação civil sem fins lucrativos fundada em 2009. O objetivo da instituição é promover atividades e projetos nas áreas de cultura, educação, inclusão digital, desenvolvimento tecnológico e econômico, direitos, assistência social e cidadania.