ONU anuncia nova iniciativa de 8 bilhões de dólares para os países do Chifre da África

Secretário-geral da ONU diz, na Etiópia, que fundos serão usados para impulsionar o crescimento econômico, reduzir a pobreza e estimular a atividade empresarial nos oito países da região.

Capital da Somália, Mogadíscio, um dos oito países do Chifre da África. Foto: UA/ONU IST/Stuart Price

Ao chegar na capital da Etiópia, Adis Abeba, sua primeira escala de um visita ao Chifre da África, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, anunciou, nesta segunda-feira (27), uma nova iniciativa de desenvolvimento para a região de 8 bilhões de dólares. Acompanhado de representantes de entidades globais e locais – como Banco Mundial, União Europeia, e Banco de Desenvolvimento Islâmico , entre outros – Ban afirmou que os fundos serão usados para impulsionar o crescimento econômico, reduzir a pobreza e estimular a atividade empresarial nos oito países da região.

“Os países do Chifre da África estão fazendo progressos importantes em suas economias e estabilidade política. Este é um momento crucial para apoiar esses esforços, acabar com os ciclos de conflito e pobreza e sair de uma situação de fragilidade para uma de sustentabilidade”, afirmou o secretário-geral.

“Este novo financiamento representa uma nova e importante oportunidade para que as pessoas do Chifre da África possam ter acesso à água limpa, alimentos nutritivos, cuidados de saúde, educação e empregos”, disse o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, ao prometer 1,8 bilhão de dólares para atividades regionais que impulsionem o desenvolvimento econômico.

A estes recursos se somam 3,7 bilhões da União Europeia, que deve desembolsá-los até 2020, a promessa de 1,8 bilhão do Banco Africano de Desenvolvimento para os próximos três anos, e um bilhão dólares do Banco Islâmico de Desenvolvimento, destinado a seus quatro países-membros no Chifre da África: Djibuti, Somália, Sudão e Uganda.