ONU alerta sobre risco de crise diplomática no Catar afetar direitos humanos

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

O alto-comissário do Escritório de Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH), Zeid Ra’ad Al Hussein, disse nesta quarta-feira (14) estar alarmado com o possível impacto nos direitos humanos da decisão de Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Egito e Bahrein de cortar relações diplomáticas e econômicas com o Catar.

Doha, capital do Catar. Foto: Wikimedia Commons (CC)

Doha, capital do Catar. Foto: Wikimedia Commons (CC)

O alto-comissário do Escritório de Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH), Zeid Ra’ad Al Hussein, disse nesta quarta-feira (14) estar alarmado com o possível impacto nos direitos humanos da decisão de Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Egito e Bahrein de cortar relações diplomáticas e econômicas com o Catar.

“Está ficando claro que as medidas adotadas são amplas em escopo e implementação, e têm o potencial de prejudicar seriamente as vidas de milhares de mulheres, crianças e homens, simplesmente porque eles têm uma das nacionalidades envolvidas na disputa”, disse Zeid, em comunicado.

Arábia Saudita, Emirados Árabes e Bahrein emitiram diretivas para atender as necessidades humanitárias das famílias com nacionalidades conjuntas, mas aparentemente essas medidas não são suficientemente efetivas para atender todos os casos, disse Zeid.

“Estamos recebendo informações de que indivíduos específicos já foram sumariamente orientados a deixar o país que residem, ou ordenados a voltar para casa por seus próprios governos”, declarou Zeid. “Entre aqueles que devem ser mais afetados são casais de diferentes nacionalidades e seus filhos; pessoas com empregos e negócios baseados em Estados diferentes de sua nacionalidade; e pessoas estudando em outros países”.

“Fiquei extremamente preocupado ao ouvir que os Emirados Árabes e o Bahrein estão ameaçando prender e multar pessoas que expressem simpatia pelo Catar ou oposição às ações de seus próprios governos, no que parece ser uma clara violação ao direito de liberdade de expressão e opinião”, declarou.

Zeid pediu que todos os Estados envolvidos resolvam essa disputa o mais rápido possível por meio do diálogo, evitem qualquer ação que possa afetar o bem-estar, a saúde, o emprego e a integridade de seus cidadãos, e respeitem suas obrigações frente às leis internacionais de direitos humanos.

Na semana passada, a Arábia Saudita rompeu relações diplomáticas com Doha alegando suposto apoio do Catar a “grupos terroristas”. O passo saudita foi logo acompanhado por Bahrein, Egito e Emirados Árabes Unidos.


Mais notícias de:

Comente

comentários