ONU alerta para risco de países menos desenvolvidos não atingirem objetivos globais

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Os países menos desenvolvidos (LDCs, na sigla em inglês), nações que precisam de mais atenção da comunidade internacional, não atingirão os objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável a menos que ações urgentes sejam tomadas, disse novo estudo das Nações Unidas publicado nesta segunda-feira (5).

“A comunidade internacional deve fortalecer seu apoio aos países menos desenvolvidos, em linha com o compromisso de não deixar ninguém para trás”, disse Paul Akiwumi, diretor da divisão da UNCTAD para África, países menos desenvolvidos e programas especiais.

Olivia Nankindu, de 27 anos, gerencia colheita em Kyotera, Uganda. Foto: Banco Mundial/Stephan Gladieu

Olivia Nankindu, de 27 anos, gerencia colheita em Kyotera, Uganda. Foto: Banco Mundial/Stephan Gladieu

Os países menos desenvolvidos (LDCs, na sigla em inglês), nações que precisam de mais atenção da comunidade internacional, não atingirão os objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável a menos que ações urgentes sejam tomadas, disse novo estudo das Nações Unidas publicado nesta segunda-feira (5).

A análise elaborada pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) enfatiza que o crescimento médio dos países menos desenvolvidos ficou em torno de 5% no ano passado, e deve chegar a 5,4% este ano, abaixo dos 7% previstos como meta do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 8, que promove o crescimento econômico sustentável e inclusivo.

Na classificação da UNCTAD, os países menos desenvolvidos do mundo são Afeganistão, Angola, Bangladesh, Benin, Butão, Burkina Faso, Burundi, Camboja, República Centro-Africana, Chade, Comores, República Democrática do Congo, Djibouti, Eritreia, Etiópia, Gâmbia, Guiné, Guiné-Bissau, Haiti, Kiribati, Laos, Lesoto, Libéria, Madagascar, Malawi, Mali, Mauritânia, Moçambique, Mianmar, Nepal, Níger, Ruanda, São Tomé e Príncipe, Senegal, Serra Leoa, Ilhas Salomão, Somália, Sudão do Sul, Sudão, Timor-Leste, Togo, Tuvalu, Uganda, Tanzânia, Vanuatu, Iêmen e Zâmbia.

Em 2017, apenas cinco países LDC atingiram crescimento de 7% ou mais — Etiópia (8,5%), Nepal (7,5%), Mianmar (7,2%), Bangladesh (7,1%) e Djibouti (7%).

“A comunidade internacional deve fortalecer seu apoio aos países menos desenvolvidos, em linha com o compromisso de não deixar ninguém para trás”, disse Paul Akiwumi, diretor da divisão da UNCTAD para África, países menos desenvolvidos e programas especiais.

“Com a recuperação econômica global permanecendo fraca, os parceiros de desenvolvimento enfrentam restrições em ampliar seu apoio aos países menos desenvolvidos para ajudá-los a atingir os ODS. As desigualdades entre estas nações e outros países em desenvolvimento estão sob risco de se ampliar”, disse.

Dependência de commodities

O relatório afirma ainda que muitos países menos desenvolvidos permanecem dependentes das exportações de commodities primárias.

Embora os preços internacionais da maior parte dessas matérias-primas terem subido desde 2016, essa modesta recuperação não foi suficiente para compensar as significativas quedas registradas desde 2011, particularmente no caso de petróleo, minerais e metais.

A análise foi apresentada aos Estados-membros da UNCTAD em reunião em Genebra, na Suíça.


Comente

comentários