ONU alerta para impacto dos conflitos entre Hamas e Israel sobre as crianças

Crianças podem ter efeitos psicológicos futuramente na juventude e até na vida adulta, alertou Comitê das Nações Unidas.

Garoto observa destruição promovida pelas forças de Israel em Gaza. (Foto: Samar Abu Elouf)

O conflito entre o grupo islâmico Hamas, que controla Gaza, e Israel teve “impacto devastador e duradouro” sobre as crianças da região, disse hoje (22) o Comitê das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança, ressaltando que a violência teria a longo prazo efeitos psicológicos na juventude e até em sua vida adulta.

“Esse impacto se estende a partir de um grande número de mortos e feridos em Gaza ao trauma profundo e outros efeitos psicológicos sobre crianças em ambos os lados da fronteira”, disse o Comitê. Embora tenha saudado o cessar-fogo anunciado ontem (21), o Comitê exortou todas as partes a cumprirem a sua obrigação internacional de garantir a proteção infantil. No conflito, 26 crianças morreram e 400 ficaram feridas em Gaza, com 14 feridas no sul de Israel.

A UNRWA deu assistência com itens de emergência como colchões, cobertores e kits de higiene para as famílias abrigadas nas escolas de Gaza mantidas pela ONU. (Crédito da foto: Samar Abu Elouf)

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) também chamou a atenção para o fato de que muitas crianças foram forçadas a dormir no frio em Gaza, em razão das destruições de janelas ou porque tiveram de manter as janelas abertas devido ao risco de os cacos de vidro as atingirem. No sul de Israel, crianças foram obrigadas a procurar abrigo em outras partes do país. “A destruição de casas e danos nas escolas, ruas e outras instalações públicas afetaram gravemente as crianças e as privaram de seus direitos fundamentais”, afirmou o Comitê.

Durante o recente conflito em Gaza, as escolas da UNRWA forneceram alguma proteção contra a violência. (Crédito da foto: Samar Abu Elouf)

Simultaneamente, a Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados Palestinos (UNRWA) anunciou hoje (21) que suas 245 escolas em Gaza serão abertas no sábado, retomando as aulas para 225 mil crianças. As escolas foram usadas durante os conflitos para abrigar cerca de 10 mil pessoas deslocadas que já voltaram para suas casas após o cessar-fogo.