ONU alerta para estado de saúde de dissidente chinês Liu Xiaobo

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Escritório de Direitos Humanos da ONU manifestou preocupação com o estado de saúde de Liu Xiaobo e solicitou acesso urgente à condição do defensor dos direitos humanos, preso na China desde 2009. Liu Xiaobo foi encarcerado em 2009 após pedir reformas políticas na China.

Liu Xiaobo, ativista de direitos humanos na China. Foto: nobelprize.org

Liu Xiaobo, ativista de direitos humanos na China. Foto: nobelprize.org

O Escritório de Direitos Humanos das Nações Unidas expressou na última sexta-feira (7) preocupação pela saúde de Liu Xiaobo, ganhador do Nobel da Paz, e solicitou entrar em contato urgentemente com ele e sua esposa, Liu Xia.

“Estamos muito preocupados com as notícias do sério agravamento da condição médica de Liu Xiabo”, disse Liz Throssell, porta-voz do Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) em Genebra.

Throssell mencionou que o ACNUDH tem insistido com as autoridades chinesas para obter informação sobre a situação de Xiaobo e sua esposa, mas não tem recebido retorno.

“O pedido de atenção médica para Liu Xiaobo deveria ser respondida de maneira urgente e, em meio aos últimos informes sobre o agravamento da saúde de Liu, acreditamos que a ONU deveria ter acesso ao lugar onde Liu Xiaobo e sua esposa se encontram”, disse Thorssell.

A porta-voz acrescentou que, devido à urgência e à seriedade da situação, o alto-comissário Zeid Ra’ad Al Hussein continuará acompanhando de perto o estado de saúde de Xiabo.

Liu Xiaobo foi encarcerado em 2009 após pedir reformas políticas na China. Em 2010, foi-lhe concedido o Prêmio Nobel da Paz pela sua “longa e não violenta luta pelos direitos humanos fundamentais na China”.

Xiaobo se encontra em grave condição médica e foi recentemente diagnosticado com câncer de fígado em fase terminal.

Segundo as agências de notícias internacionais informaram nessa quarta (12), as funções renais e hepáticas de Liu estão falhando e ele sofre de coágulos no sangue, entre outros quadros.


Mais notícias de:

Comente

comentários