ONU alerta para deterioração da situação da saúde no Iêmen em meio ao conflito

Clínicas e hospitais em toda a região sofrem com escassez de remédios e suprimentos, enquanto ataques a áreas urbanas aumentam.

Um avião com 17 toneladas de remédios e outros equipamentos médicos chegaram em Sanaa, Iêmen. Foto: OMS Iêmen.

Um avião com 17 toneladas de remédios e outros equipamentos médicos chegaram em Sanaa, Iêmen. Foto: OMS Iêmen.

A situação da saúde no Iêmen está se deteriorando à medida que as hostilidades impedem o acesso de civis a serviços básicos, de acordo com Tarik Jašarevic da Organização Mundial da Saúde (OMS). Ele alertou, junto com o ministro da saúde do país, sobre a possibilidade do colapso do sistema, já que clínicas e hospitais em toda a região lutam para funcionar, enquanto enfrentam escassez de remédios e suprimentos.

Os cortes de energia e falta de combustível também ameaçam interromper a campanha de vacinação das agências da ONU que está em curso, deixando milhões de crianças menores de cinco anos sem ser vacinadas e aumentando o risco de contrair doenças transmissíveis, como o sarampo e poliomielite. Além disso, o acesso limitado a água potável também incrementou os casos de diarreia com sangue em crianças nessa faixa etária, bem como aumento dos casos de sarampo e suspeita de malária.

De acordo com a ONU, o combate no Iêmen tem se intensificado constantemente, espalhando-se por todo o país e em áreas urbanas e bairros residenciais. Ataques aéreos e bombardeios atingiram hospitais, escolas, aeroportos e mesquitas.

Ao mesmo tempo, os relatos de violações graves dos direitos humanos cometidas também estão surgindo. Jasarevic também alertou que, até 17 de abril foram registradas 944 mortes e 3.487 feridos – um aumento significativo no número de baixas desde o último período de relato.