ONU alerta para agravamento do conflito na República Centro-Africana

Chefe de operações de paz da ONU, Jean-Pierre Lacroix, alertou que a crescente intensidade de ataques contra civis e forças de paz leva a situação da República Centro-Africana a um momento crítico.

Patrulha do MINUSCA em Bangui, capital da República Centro-Africana. Foto: ONU/Catianne Tijerina (arquivo)

Patrulha do MINUSCA em Bangui, capital da República Centro-Africana. Foto: ONU/Catianne Tijerina (arquivo)

O subsecretário-geral da ONU de Operações de Manutenção da Paz, Jean-Pierre Lacroix, alertou que a crescente intensidade de ataques contra civis e forças de paz leva a situação da República Centro-Africana a um momento crítico.

Em uma sessão a portas fechadas no Conselho de Segurança das Nações Unidas, Lacroix destacou, na última quinta (27), a deterioração da situação de segurança e humanitária em Bangassou, cidade no sudeste do país, onde três soldados das forças de paz da ONU foram mortos nos últimos dias.

Os ataques ocorreram “no contexto de uma luta persistente no sudeste do país, o aumento das tensões étnicas e a presença de saqueadores manipulando comunidades seguindo linhas religiosas, minando o processo de estabilização no país”, disse ele aos 15 membros do Conselho.

Em seu discurso, Lacroix levantou preocupações sobre a deterioração da segurança na cidade fronteiriça de Zemio, a 290 km a leste de Bangassou, com o risco de novos confrontos entre a coalizão rebelde muçulmana Séleka e as milícias cristãs do anti-Balaka, que causou o deslocamento de mais de 22 mil civis.

Os confrontos entre esses dois grupos mergulharam o país de cerca de 4,5 milhões de habitantes em uma guerra civil desde 2012. De acordo com as Nações Unidas, cerca de 2,3 milhões de pessoas – mais da metade da população – estão em necessidade de assistência humanitária. Mais de 484 mil pessoas do país foram forçadas a procurar refúgio em países vizinhos.

O representante da ONU também reiterou que uma solução militar para o problema dos grupos armados não é suficiente para resolver as causas profundas do conflito: “A ausência de avanços tangíveis no processo de paz corre o risco de piorar ainda mais a situação”.

Lacroix está programando uma viagem para a República Centro-Africana durante o fim de semana para transmitir uma mensagem de apoio à missão de paz da ONU no país, o MINUSCA, e para se encontrar com autoridades locais.