ONU ajuda governo a criar certificado para municípios que eliminarem transmissão vertical HIV

Brasil e ONU querem promover eliminação da transmissão vertical do HIV em municípios. Foto: EBC

Agências da ONU e o Ministério brasileiro da Saúde discutiram na semana passada quais os métodos que serão utilizados para certificar municípios brasileiros que conseguirem eliminar a transmissão vertical de HIV. Essa forma de propagação do vírus ocorre quando uma mãe vivendo com HIV transmite o agente patogênico para o filho durante a gravidez, o parto ou no período de amamentação.

Durante reunião do Grupo de Trabalho (GT) sobre o tema , que aconteceu nos dias 1º e 2 de fevereiro, a diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, AIDS e Hepatites Virais (DIAHV) da pasta federal, Adele Benzaken, explicou que o processo de certificação estará disponível para municípios com mais de 100 mil habitantes.

As cidades que forem reconhecidas serão anunciados no Congresso de HIV/AIDS, previsto para ocorrer em Curitiba, dos dias 26 a 29 de setembro.

A diretora do DIAHV ressaltou que o comitê eleito para implementar o programa de certificação e o corpo técnico do departamento irão trabalhar intensamente para que alguns municípios recebam o selo do Ministério da Saúde até setembro.

Benzaken esclareceu que existem iniciativas extranacionais, como um projeto da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) na América Latina e Caribe, para validar os países que eliminarem a transmissão vertical da sífilis e do HIV.

A assistente de programa do Fundo de População da ONU (UNFPA), Jennifer Gonçalves, comentou que é fundamental o engajamento dos municípios para que a certificação possa ser incorporada no Brasil.

A agência da ONU faz parte do GT responsável por implementar o selo de reconhecimento. Outros organismos das Nações Unidas, como o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS), também integram a entidade.

Uma das tarefas do GT é elaborar o relatório que avaliará cada município. O objetivo do instrumento é descrever em detalhes a situação local. Na reunião, ficou acordado que todos os participantes do organismo serão ouvidos no processo de concepção do documento. “Essa avaliação por experts de cada uma das áreas faz com que melhore muito o estado de saúde do município”, disse Benzaken sobre o relatório.

O próximo encontro do grupo discutirá como o projeto será operacionalizado e como procedimentos metodológicos precisarão eventualmente ser adequados. Outras metas da nova reunião incluem a finalização da proposta brasileira e a formalização oficial do Grupo Técnico de Certificação de Eliminação da Transmissão Vertical do HIV.