ONU adverte que operações de ajuda no Iêmen permanecem com falta de fundos

As Nações Unidas expressaram preocupação sobre a situação humanitária no norte de Iêmen, onde as necessidades da população deslocada por causa de conflitos ultrapassam amplamente os fundos fornecidos pelos doadores. Menos de 70 milhões de dólares, ou 36% dos 187 milhões prometidos este ano por agências humanitárias, foram recebidos, reportou o Escritório das Nações Unidas de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

Agências da ONU e organizações não-governamentais (ONG) têm providenciado auxílio aos civis do norte do Iêmen, onde forças do governo têm enfrentado grupos rebeldes num conflito armado esporádico durante anos recentes. 340 mil pessoas internamente deslocadas vivem atualmente nos cinco estados onde acontece o conflito, sendo principalmente abrigadas por comunidades locais.

O cuidado da saúde é uma grande preocupação, casos de desnutrição aguda, diarréia e anemia são comumente reportados entre deslocados e residentes, particularmente no estado de Hajjah. Ajuda alimentar, água e saneamento básico são prioridades.

Desde que o cessar-fogo foi estabelecido em fevereiro, trabalhadores humanitários têm incrementado seus esforços para alcançar as áreas mais afetadas pelo conflito, especialmente nas cidades de Sa’ada e Malaheet. O OCHA declarou que a situação de segurança permanece volátil, o que dificulta a tentativa dos trabalhadores humanitários de ajudar aos locais.