ONG colombiana recebe Prêmio Nansen para Refugiados por defender os direitos das mulheres

As voluntárias da “Rede Borboletas com Asas Novas, Construindo um Futuro” arriscam suas vidas para ajudar sobreviventes do deslocamento e abuso sexual na Colômbia. Elas já ajudaram mais de mil mulheres e suas famílias.

O Alto Comissário da ONU para Refugiados, António Guterres, entregando a Medalha Nansen às representantes de Rede Borboletas com Asas Novas. Foto: ACNUR

O Alto Comissário da ONU para Refugiados, António Guterres, entregando a Medalha Nansen às representantes de Rede Borboletas com Asas Novas. Foto: ACNUR

A ONG colombiana “Rede Borboletas com Asas Novas, Construindo um Futuro”, que trabalha em defesa dos direitos das mulheres, recebeu o Prêmio Nansen para Refugiados do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (ACNUR), nesta segunda-feira (29), em uma cerimônia especial de entrega, em Genebra. Na ocasião, a ONG foi representada por três mulheres: Gloria Amparo, Maritza Asprilla Cruz e Mery Medina.

Atuando na cidade portuária de Buenaventura, no litoral do Pacífico, as voluntárias da Rede arriscam suas vidas para ajudar sobreviventes do deslocamento e abuso sexual no país. Elas já ajudaram mais de mil mulheres e suas famílias.

O Prêmio Nansen para Refugiados é a maior honraria humanitária do ACNUR. Desde 1954, quando Eleanor Roosevelt tornou-se a primeira ganhadora, mais de 60 indivíduos, grupos ou organizações foram reconhecidos por seu trabalho excepcional em favor de pessoas deslocadas.