Onda de xenofobia na África do Sul preocupa ACNUR

Ataques nas últimas três semanas mataram seis pessoas e desalojaram mais de 5 mil estrangeiros, incluindo refugiados e requerentes de asilo.

ACNUR se encontra com as pessoas deslocadas em um local perto de Durban, na província de KwaZulu-Natal, África do Sul. Foto: ACNUR/T. Machobane

ACNUR se encontra com as pessoas deslocadas em um local perto de Durban, na província de KwaZulu-Natal, África do Sul. Foto: ACNUR/T. Machobane

A agência de refugiados da ONU (ACNUR) saudou nesta sexta-feira (17) os esforços do governo para conter a onda de xenofobia na África do Sul, porém está “extremamente preocupada” com os ataques das últimas três semanas que mataram seis pessoas e desalojaram mais de 5 mil estrangeiros, incluindo refugiados e requerentes de asilo.

Os ataques na província de KwaZulu-Natal começaram no final de março após uma aparente disputa trabalhista envolvendo sul-africanos e estrangeiros. Os deslocamentos surgiram após outro movimento populacional de estrangeiros que ocorreu em janeiro, como resultado de incidentes semelhantes em Soweto, perto de Joanesburgo, na província de Gauteng.

“O ACNUR está extremamente preocupado, recebemos a resposta por parte do governo na tentativa de conter a situação e prestar assistência”, disse o porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados, Adrian Edwards, em Genebra.

O presidente sul-africano, Jacob Zuma, disse aos parlamentares na quinta-feira (16) que “será concedido apoio aos refugiados e requerentes de asilo de acordo com as leis e protocolos internacionais”, com a assistência do ACNUR.