OMS solicita apoio financeiro da comunidade internacional para garantir assistência médica na Síria

Apenas 30% das ações no país estariam garantidas pelas verbas liberadas até agora. Países vizinhos, como Líbano e Jordânia, estão sobrecarregados com assistência prestada a refugiados e na fronteira.

gente da OMS presta assistência na Síria. Foto: OMS

gente da OMS presta assistência na Síria. Foto: OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu, nesta quinta-feira (24), um apelo à comunidade internacional, solicitando que os países liberem recursos para financiar as atividades da agência na Síria. Segundo informações da OMS, apenas 30% do plano anual de resposta para a situação do país estaria garantido pelas verbas disponíveis.

De acordo com a agência, países vizinhos da Síria, como a Turquia, o Líbano e a Jordânia, estão sobrecarregados pelas ações de assistência realizadas em parceria com a OMS. “A comunidade internacional tem que continuar apoiando os países que fazem o trabalho pesado”, afirmou a coordenadora da Equipe de Apoio de Emergência, Nada Al Ward.

Apesar do déficit e do recrudescimento dos confrontos armados no país, a OMS já conseguiu oferecer tratamento médico a mais de 13,8 milhões de pessoas, somente nesse ano. A organização tem auxiliado os ministérios da Saúde de nações vizinhas ao país em conflito, de modo a garantir assistência médica de qualidade para refugiados.

O Líbano já recebeu 1,1 milhão de sírios, contingente que equivale agora a um terço de sua população. Na Jordânia, o número de refugiados chega a 600 mil. “A migração para a Europa pode aliviar a carga desses países, mas não tanto”, afirmou a Al Ward.