OMS: Para cada dólar investido em água e saneamento, economiza-se 4,3 dólares em saúde global

AUMENTAR LETRA DIMINUIR LETRA

Segundo a agência, 2,5 bilhões de pessoas sofrem com falta de acesso a saneamento básico e 1 bilhão pratica defecação ao ar livre. Relatório foi publicado nesta quarta (19), Dia Mundial dos Banheiros.

2,5 bilhões de pessoas ainda sofrem com a falta de acesso a serviços de saneamento básico. Foto: UNICEF/Karin Schermbrucker

2,5 bilhões de pessoas ainda sofrem com a falta de acesso a serviços de saneamento básico. Foto: UNICEF/Karin Schermbrucker

A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que, para cada dólar investido em água e saneamento, são economizados 4,3 dólares em custos de saúde no mundo, enquanto 2,5 bilhões de pessoas ainda sofrem com a falta de acesso a serviços de saneamento básico e 1 bilhão pratica a defecação ao ar livre.

O relatório da Organização foi publicado nesta quarta-feira (19), marcando o Dia Mundial dos Banheiros.

A assistência internacional a favor das melhorias na qualidade dos serviços de água e saneamento aumentou seu comprometimento financeiro em 30% entre 2010 e 2012 – de 8,3 bilhões para 10,9 bilhões –, especialmente para as regiões mais vulneráveis, como a África Subsaariana e o sudeste e o sul da Ásia.

Estima-se que, para cada dólar investido em saneamento básico e água, o PIB global cresça em 1,5% e sejam economizados 4,3 dólares em saúde no mundo. Por isso, é essencial que os esforços voltados para o tema estejam entre as prioridades da agenda de desenvolvimento pós-2015.

No entanto, graves lacunas no financiamento direcionado à causa ainda impedem o progresso. Milhares de pessoas no mundo se tornam mais suscetíveis a doenças como a diarreia – a segunda maior causa de morte entre crianças abaixo dos cinco anos –, o cólera, a hepatite e a tifoide, por conta de condições precárias de saneamento, água e higiene.

Além disso, a disseminação do ebola na África Ocidental vem sendo exacerbada pela debilidade do estado desses serviços nas comunidades e, sobretudo, nas instalações médicas locais.


Mais notícias de:

Comente

comentários