OMS eleva risco da epidemia de coronavírus no mundo para ‘muito alto’

Durante o surto de coronavírus, pessoas em Shenzhen, na China, mantêm distância uma das outras em uma fila enquanto esperam para pedir comida para viagem. Foto: Man Yi

Os países devem agir de maneira rápida e robusta para conter a epidemia de coronavírus COVID-19, informou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta sexta-feira (28), ao elevar a avaliação de risco global da infecção para “muito alta”.

O anúncio foi feito depois que o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, recebeu dados que mostram que nas últimas 24 horas a China registrou o menor número de casos em mais de um mês (329), com 78.959 no total.

Mais de 36.000 pessoas também se recuperaram do COVID-19 somente na China, disse a OMS.

Medo, boatos e estigma são os maiores inimigos

Em declarações à imprensa nesta sexta-feira, o chefe da ONU, António Guterres, pediu a todos os governos que intensifiquem esforços e façam todo o possível para conter a doença, sem estigmatização e com respeito aos direitos humanos. Ele também pediu solidariedade e apoio global.

Ecoando as palavras de Tedros, o secretário-geral da ONU enfatizou a importância da preparação, e não do pânico, e declarou que o “maior inimigo no momento não é o vírus. É o medo, são os boatos e o estigma”.

Disseminação continua

O mundo continuou mostrando um aumento nas infecções, com 4.351 casos confirmados em 49 países e 67 mortes.

Tedros disse que, embora o aumento do número de casos e de países afetados nos últimos dias seja preocupante, não havia evidências de que o vírus se espalhe livremente nas comunidades.

Ele acrescentou que 24 casos de infecção foram exportados da Itália para 14 países e 97 casos foram exportados do Irã para 11 países.

“O aumento contínuo do número de casos e o número de países afetados nos últimos dias são claramente preocupantes”, disse ele. “Nossos epidemiologistas têm monitorado esses desenvolvimentos continuamente e agora aumentamos nossa avaliação do risco de propagação e do risco de impacto do COVID-19 para muito alto no nível global.”

Primeiro caso na África Subsaariana

Na Nigéria, onde o primeiro caso de infecção foi confirmado e isolado, a agência da ONU disse ter “grande confiança” de que o país poderá conter o vírus.

Isso se deve ao fato de a Nigéria ter tido sucesso ao lidar com outros surtos de doenças, como a febre de Lassa e o sarampo — e investido significativamente para fazer isso, disse Mike Ryan, chefe para o Programa de Emergências em Saúde da OMS.

Atualmente, mais de 20 vacinas estão em desenvolvimento em todo o mundo, juntamente com vários medicamentos terapêuticos; os primeiros resultados são esperados em semanas, disse Tedros.

Responsabilidade pessoal é essencial

Enquanto isso, a melhor coisa que as pessoas podem fazer é ser diligentes em relação à sua higiene pessoal, insistiu o chefe da agência de saúde da ONU, e ficar atentas aos sintomas, que incluem tosse seca e febre.

Para a prevenção, é particularmente importante lavar as mãos com sabão ou álcool gel, espirrar ou tossir em um lenço ou na dobra do braço, e ficar em casa em caso de sintomas.

Explicando as implicações da mais recente avaliação de ameaças, Ryan disse que, embora fosse o nível mais alto de alerta, o objetivo era incentivar os países a agir, em vez de alarmá-los.

“Precisamos desacelerar esse vírus, porque os sistemas de saúde em todo o mundo — e quero dizer no Norte e no Sul — simplesmente não estão prontos. O risco de disseminação aumentou claramente, mas o risco de impacto também subiu por causa do que vemos em sistemas de saúde em todo o mundo.”

Hora de agir

“É hora de se preparar. É hora de agir, e as pessoas precisam fazer uma verificação da realidade agora e realmente entender que é necessária uma abordagem de todos os governos e sociedades.”

Ecoando a necessidade de ações agressivas, como a implementada pela China, a Dra. Maria Van Kerkhove, da OMS, observou que outros países que seguiram sua liderança obtiveram sucessos semelhantes na contenção do vírus, resultando em um espaço valioso para a respiração de seus sistemas de saúde.