OMS e agências se comprometem a comprar produtos de saúde sustentáveis

Aquisições de insumos de saúde pela OMS e agências parceiras da ONU vão privilegiar fornecedores que mantêm cadeias produtivas mais sustentáveis. Foto: OMS / C. Black

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras agências assinaram na quarta-feira (7) documento em que expressam a intenção de tornar mais “verde” a compra de produtos de saúde. Compromisso entre diferentes organismos quer promover o bem-estar da população sem agredir o meio ambiente.

Anualmente, a entidade e seus parceiros da ONU adquirem coletivamente cerca de 3 bilhões de dólares em insumos.

“Precisamos garantir que, quando as organizações internacionais forem adquirir commodities de saúde, nós promoveremos padrões de consumo e produção responsáveis e apoiaremos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, afirmou a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, em cerimônia em Genebra para a formalização do acordo.

Agências das Nações Unidas adquirem quantidades significativas de terapias antirretrovirais genéricas, medicamentos anti-malária e mosquiteiros impregnados com inseticidas, medicamentos contra a tuberculose e preservativos, bem como determinadas vacinas. Outros produtos de saúde comprados são equipamentos médicos e de laboratório, além de outros bens consumíveis.

O pacto entre os organismos envia uma mensagem aos fornecedores e fabricantes de commodities de saúde, a de que os clientes buscam cada vez mais produtos que sejam ambiental e socialmente responsáveis. Com o compromisso, a OMS e parceiros esperam expandir a compra de commodities que sejam oriundas de cadeias produtivas sustentáveis.

Entre as organizações signatárias, estão o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).