OMS confirma mais de 630 mil casos da COVID-19

A Organização Mundial da Saúde (OMS) registrou cerca de 630 mil casos confirmados da COVID-19 em todo o mundo. Pelo menos 30 mil pessoas morreram e mais de 100 mil se recuperaram da doença.

Segundo o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, a ameaça global mais urgente é a falta de equipamentos de proteção individual. Até agora, a OMS forneceu cerca de 2 milhões de itens e equipamentos de proteção a 74 países e prepara a mesma quantidade para mais 60 nações.

Na sexta-feira (20) a OMS lançou o ensaio clínico ‘Solidariedade’, que vai comparar a segurança e a eficácia de quatro medicamentos ou combinações diferentes. Mais de 45 países já contribuem para este ensaio – incluindo o Brasil, que tem a Fiocruz como instituição responsável por liderar este processo no país.

Equipe médica de Xiang Lu em Hubei, China. Foto: Xiang Lu (Arquivo Pessoal)

Equipe médica de Xiang Lu em Hubei, China. Foto: Xiang Lu (arquivo pessoal)

A Organização Mundial da Saúde (OMS) registrou 638.146 casos confirmados da COVID-19 em todo o mundo até este domingo (29). A estimativa é de que 30.030 pessoas morreram em 202 países e territórios, e mais de 100 mil se recuperaram da doença.

Segundo o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, a ameaça global mais urgente é a falta de equipamentos de proteção individual. Até agora, a OMS forneceu cerca de 2 milhões de itens e equipamentos de proteção a 74 países, e prepara a mesma quantidade para mais 60 nações.

Para o diretor-geral da OMS, ainda é preciso fazer muito mais. “O problema só pode ser resolvido com cooperação e solidariedade. Todos estão em risco quando os profissionais da saúde estão expostos a essa situação”, explicou.

Além de reforçar que é preciso apoiar pesquisas e testes de casos mais agressivos, o diretor-geral da OMS pediu que seja aumentada a produção e capacidade de realizar testes em todo o mundo.

Mais de 50 ministros da saúde compartilharam suas experiências e lições aprendidas com o surto do coronavírus na China, no Japão, na Coreia do Sul e em Cingapura.

Tedros reforçou que as ações bem-sucedidas de combate ao coronavírus são detecção precoce, isolamento, acompanhamento, identificação e quarentena de casos confirmados e de pessoas com quem tiveram contato. Outras medidas são otimizar os cuidados e promover a comunicação em favor da confiança entre pessoas e grupos.

Tratamento urgente

A OMS estima que uma vacina contra o novo coronavírus demorará pelo menos 18 meses.

A Noruega e a Espanha já têm os primeiros candidatos inscritos para participar do ensaio clínico ‘Solidariedade’, lançado na sexta-feira (20), que vai comparar a segurança e a eficácia de quatro medicamentos ou combinações diferentes. Mais de 45 países já contribuem para este ensaio – incluindo o Brasil que tem a Fiocruz como instituição responsável por liderar este processo no país.

Para a OMS, esse teste histórico reduzirá de forma drástica o tempo necessário para ter fortes evidências sobre a ação dos remédios.

O diretor-geral lembrou que na história da medicina há muitos exemplos de medicamentos que funcionavam no papel, ou em tubos de ensaio, mas não em humanos. “Em alguns casos chegaram a ser prejudiciais”, explicou.

Essa situação ocorreu durante a recente epidemia do ebola, quando alguns medicamentos que eram considerados eficazes não o foram, após terem sido comparados em ensaios clínicos. “Devemos seguir as evidências científicas. Não há atalhos para essa questão”, concluiu o diretor-geral da OMS.