OMS classifica supostos casos de ebola no Iraque como ‘rumores’

Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde iraquiano destacaram que o país está preparado para responder ao ebola, bem como adotando medidas preventivas contra a doença.

Foto: OMS/C. Banluta

Foto: OMS/C. Banluta

Apesar de relatos de casos de ebola em Mossul em várias fontes de mídia iraquianas, na semana passada, o Ministério da Saúde iraquiano e a Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmaram nesta terça-feira (6) que não há casos identificados da doença até agora no país.

Observando que as instalações laboratoriais em Mossul não têm as capacidades necessárias para diagnosticar e confirmar o ebola, o Ministério da Saúde e a OMS puderam confirmar a informação por meio de redes de vigilância locais e através de contatos com autoridades locais de saúde e hospitais em Mossul.

“Todas as fontes contactadas negaram a existência de quaisquer casos suspeitos de ebola”, disse a OMS em um comunicado, descrevendo os relatos da mídia como “rumores”.

“O Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde permanecem alertas e têm ampliado os esforços de vigilância para garantir a detecção precoce e gestão segura de eventuais casos suspeitos de EVD no país”, destacou o comunicado, sublinhando as medidas cautelares tomadas para garantir a efetividade dos programas relacionados ao tema no país.

O comunicado listou as ações tomadas pela OMS e pelo Ministério da Saúde, incluindo avaliações de pontos de entrada internacionais, como aeroportos e portos, o reforço da vigilância nas unidades de saúde, bem como o desenvolvimento de um plano de contingência e de resposta.