OMS anuncia início de testes de vacina contra o ebola nas áreas mais afetadas da Guiné

Vacina pode ser “decisiva para virar o jogo” e acabar com a epidemia que já afetou mais de 24 mil pessoas na África Ocidental, segundo a diretora-geral da Organização Mundial da Saúde.

Uma das vacinas, canadense, consideradas para análise. Foto: OMS/M. Missioneiro

A vacina será usada nas áreas mais afetadas da Guiné, que, segundo a última atualização da OMS, registrou 132 novos casos. Foto: OMS/M. Missioneiro

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou nesta quinta-feira que vai iniciar os testes de vacinação na Guiné essa semana. Caso esta ação se mostrar efetiva, pode se tornar um “divisor de águas para finalmente acabar com a epidemia” que já afetou quase 24 mil pessoas.

A diretora-geral da OMS, Margaret Chan, lembrou que a organização e seus parceiros vem trabalhando arduamente para alcançar esse ponto e citou a “mobilização maciça dos países afetados e de todos os parceiros para acelerar o desenvolvimento e a viabilidade de intervenções comprovadas.” Chan acrescentou que “se a vacina for considerada eficaz, será a primeira ferramenta de prevenção contra o ebola na história.”

De acordo com a OMS, a vacinação ocorrerá em áreas da Baixa Guiné, atualmente a região que apresenta o maior número de casos no país. Na sua última atualização, a agência confirmou 132 novos casos na Guiné e Serra Leoa, o que representa um aumento de cerca de 30% em comparação com a semana anterior. Em compensação, a Libéria não teve novos registros pelo primeira vez desde 26 de maio de 2014.

A diretora-geral adjunta, Marie-Paule Kieny, que lidera os esforços de pesquisa do ebola, declarou que “uma vacina eficiente para controlar atuais crises pode ser um divisor de águas para finalmente por um fim à epidemia e garantir um procedimento para qualquer caso futuro”.