OIT: Migrantes no mercado de trabalho é tema de Seminário Mercosul em Brasília

Em 2015, o Escritório da OIT no Brasil iniciou um projeto de cooperação Sul-Sul com o governo para a proteção dos direitos dos trabalhadores migrantes na América Latina e no Caribe.

Trabalhadores em fábrica de automóveis no Uruguai, que abastece todos os países do Mercosul. Foto: Flickr/secretaria de comunicação Uruguai (CC)

Trabalhadores em fábrica de automóveis no Uruguai, que abastece todos os países do Mercosul. Foto: Flickr/secretaria de comunicação Uruguai (CC)

Durante a abertura do Seminário Mercosul: Inserção de Imigrantes no Mercado de Trabalho, o vice-diretor e responsável do Escritório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) no Brasil, Stanley Gacek, destacou que “estima-se que cerca de 232 milhões de pessoas cruzaram fronteiras internacionais na condição de migrantes em 2013, 50% delas eram trabalhadores migrantes e outros 40% seus familiares”. O evento foi realizado entre 23 e 26 de junho em Brasília.

O ministro do Trabalho e Emprego (MTE), Manoel Dias, esteve no Seminário e enfatizou as ações brasileiras contra trabalho escravo e infantil e disse que o Brasil tem contribuições a dar para outros países “É uma satisfação verificar o reconhecimento dos demais governos com os avanços do Brasil. Essa conjuntura permite que o mundo, sustentado nas nossas experiências, possa tratar dessa questão fundamental, que são os trabalhadores migrantes, com amplitude e responsabilidade social”, disse.

Em 2015, o Escritório da OIT no Brasil iniciou um projeto de cooperação Sul-Sul com o governo brasileiro para a proteção dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras migrantes na América Latina e no Caribe. “Com esse projeto, a OIT trabalhará em articulação com os demais escritórios da região e levará as boas práticas do Brasil para outros países, assim como proporcionará o intercâmbio de informações para um alinhamento com relação aos indicadores e políticas de migração para o trabalho”, disse Gacek.