OIM e USAID apoiam integração econômica de venezuelanos no Brasil

A Organização Internacional para Migrações (OIM) e a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) assinaram um acordo para apoiar o governo brasileiro na integração econômica de venezuelanos e outros refugiados e migrantes de países vizinhos em situação de vulnerabilidade no Brasil.

O intuito da cooperação é facilitar o acesso ao emprego formal e a oportunidades de geração de renda por meio de programas de treinamento vocacional e empresarial, cursos de línguas e capacitações. Os beneficiados também receberão informações sobre seus diferentes direitos no Brasil, incluindo prevenção à exploração e discriminação laboral.

Os venezuelanos Ricardo e Maria e seu filho de um mês moram em um abrigo em Manaus (AM). Foto: ACNUR/Santiago Escobar-Jaramillo

Os venezuelanos Ricardo e Maria e seu filho de um mês moram em um abrigo em Manaus (AM). Foto: ACNUR/Santiago Escobar-Jaramillo

A Organização Internacional para Migrações (OIM) e a Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) assinaram um acordo para apoiar o governo brasileiro na integração econômica de venezuelanos e outros refugiados e migrantes de países vizinhos em situação de vulnerabilidade no Brasil.

O intuito da cooperação é facilitar o acesso ao emprego formal e a oportunidades de geração de renda por meio de programas de treinamento vocacional e empresarial, cursos de línguas e capacitações. Os beneficiados também receberão informações sobre seus diferentes direitos no Brasil, incluindo prevenção à exploração e discriminação laboral.

A ação da OIM com USAID prevê também a sensibilização do setor privado para promover o acesso dos migrantes ao mercado de trabalho com capacitações direcionadas aos empregadores.

Informações para a sociedade em geral também serão disseminadas, especialmente via campanha contra a exploração laboral. O projeto terá ainda uma estratégia para apoiar mulheres e jovens para ajudá-los a superar desafios específicos.

Com as atividades e novas parcerias desenvolvidas entre autoridades locais, sociedade civil e setor privado, espera-se ampliar a visibilidade de que o migrante também é um agente de desenvolvimento econômico na sociedade de acolhimento, que pode enriquecer a cultura empresarial com seus conhecimentos e idioma.

“Buscamos com essa abordagem combinada entre o apoio direto, o fortalecimento das habilidades dos migrantes e a sensibilização do setor privado e dos parceiros da sociedade civil contribuir para a integração econômica dos migrantes na sociedade brasileira ao longo prazo”, explica o chefe de missão da OIM no Brasil, Stephane Rostiaux.

O projeto será implementado em Distrito Federal, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo, estados com maior concentração de migrantes. As atividades estão previstas para começar em janeiro de 2020 e devem durar dois anos.