Oficial da ONU condena incêndio criminoso contra palestinos na Cisjordânia

Robert Pipe pediu que Israel investigue incidente e leve criminosos à Justiça, tomando todas as iniciativas possíveis para garantir a proteção de comunidades palestinas vulneráveis na Cisjordânia.

O coordenador humanitário regional das Nações Unidas para os territórios palestinos, Robert Pipe. Foto: ONU.

O coordenador humanitário regional das Nações Unidas para os territórios palestinos, Robert Pipe. Foto: ONU.

Um oficial das Nações Unidas condenou na segunda-feira (21) o incêndio criminoso, do qual judeus extremistas são suspeitos, contra a residência de uma família palestina no vilarejo de Duma, sul de Nablus, na Cisjordânia.

Ibrahim Dawabsheh e sua mulher estavam em casa durante o ataque e tiveram ferimentos leves como resultado da inalação de fumaça.

“Esse ato violento poderia ter tido um resultado mais trágico, como ocorreu no abominável ataque terrorista de julho contra a casa de parentes de Dawabsheh no mesmo vilarejo”, disse o coordenador humanitário regional da ONU para os territórios palestinos, Robert Pipe, em comunicado à imprensa.

Dawabsheh foi a única testemunha de um incêndio criminoso ocorrido no ano passado no mesmo vilarejo de Duma que resultou na morte de um bebê de 18 meses e deixou seus pais e seu irmão de 5 anos feridos.

“Peço a Israel, como a potência ocupante, que investigue esse incidente rapidamente e leve os criminosos à Justiça, tomando todos os passos possíveis para garantir que comunidades palestinas vulneráveis na Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, sejam protegidas”, disse.

“Não podemos permitir tais atos que impulsionam o ódio e aumentam a violência – isso só trará mais tragédias pessoais e enterrará qualquer perspectiva de paz”, alertou, acrescentando que os ataques desta segunda-feira mostram “a urgente necessidade de trabalharmos juntos para uma resolução imediata do conflito e para colocar um fim à ocupação”.