“Objetivos de Desenvolvimento do Milênio continuam possíveis”, afirma representante da ONU

Administradora do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD), Helen Clark destaca que os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio podem ser alcançados até 2015 delineando áreas prioritárias de ação nos próximos cinco anos.

Administradora do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Helen Clark. Foto: UN/Evan SchneiderEmbora a recessão econômica global tenha dificultado a situação para países desenvolvidos e em desenvolvimento, a Administradora do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD), Helen Clark, destacou que o objetivo de redução da pobreza pode ser realizado até 2015 delineando áreas prioritárias de ação nos próximos cinco anos.

“Para alcançarmos os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) é preciso acelerar o progresso nos próximos cinco anos. Esse progresso deve chegar a países, comunidades e grupos marginalizados que foram deixados de lado”, apontou Clark.

Em setembro, será realizada, na sede das Nações Unidas, em Nova York, uma reunião especial para revisar os progressos obtidos até o momento, que, segundo Clark, tem sido desiguais entre os Objetivos e os países. A reunião oferece a oportunidade de gerar um novo momento em torno dos ODM e possibilitará que líderes globais concretizem uma agenda para alcançar os Objetivos até 2015. “Minha mensagem é que os ODM continuam possíveis. Com parcerias globais, com comprometimento dos líderes e aplicando aquilo que aprendemos, podemos alcançá-los ”, ressaltou a Administradora do PNUD.

Clark observou que há uma série de políticas testadas que, se postas em prática nos territórios nacionais, podem assegurar o progresso. Entre essas medidas, destacam-se ações da sociedade civil, do setor privado, de instituições filantrópicas e de líderes políticos, entre outros segmentos sociais. Nesse sentido, apontou o Fundo para a Realização dos ODM, uma doação do governo espanhol para a ONU, que apoia mais de 120 iniciativas em cerca de 50 países e busca acelerar o progresso dos ODM.

Ela ressaltou a especificidade de cada região e disse que as análises e experiências da ONU até agora destacaram oito áreas comuns de ação prioritária. São elas: apoiar o desenvolvimento dos países, promover o crescimento econômico, melhorar as oportunidades das mulheres, priorizar investimentos em saúde e educação, em água potável e saneamento básico, capacitar profissionais dessas áreas, aumentar a proteção social e programas de emprego, e objetivar outras intervenções.

A representante do PNUD afirmou também que outras prioridades são expandir o acesso à energia, diminuindo o uso do carvão, mobilizar recursos locais para financiar os ODM e consolidar o compromisso da comunidade internacional de melhorar a efetividade da assistência aos países que a recebem. (11/06/2010)