Ex-secretários-gerais das Nações Unidas

Conheça todos os ex-secretários-gerais das Nações Unidas aqui.

Ban Ki-Moon (Coreia do Sul – 2007/2016)

Ban Ki-moon nasceu na Coreia do Sul, onde era ministro das Relações Exteriores e do Comércio antes de chegar à ONU.  No decurso de mais de 37 anos de pública, que o levou a Nova Déli (Índia), Washington D.C. (Estados Unidos) e Viena (Áustria),ocupou diversos cargos – assessor principal do presidente em assuntos de política externa, vice-ministro do Planejamento de Políticas e diretor-geral de Assuntos Norte-americanos. Atuou num acordo histórico pela paz na Península da Coreia.

Chegou à ONU na década de 70, tendo presidido a Comissão Preparatória da Organização do Tratado de Proibição Total de Testes Nucleares em 1999. Em 2001-2002, como chefe de Gabinete do presidente da Assembleia Geral, facilitou a rápida adoção da primeira resolução da sessão, que condenou os atentados terroristas de 11 de setembro, e tomou iniciativas para melhorar o funcionamento da Assembleia. Recebeu numerosas distinções, condecorações e medalhas no seu país e no exterior.

Kofi Annan (Gana) – 1997/2006

Kofi Annan (Gana) – 1997/2006

Kofi Annan nasceu em Gana em 1937 e foi o sétimo secretário-geral das Nações Unidas. Annan ocupou o cargo por dez anos, em dois mandatos consecutivos. Quando foi nomeado, ocupava o cargo de subsecretário-geral do Departamento de Operações de Paz das Nações Unidas.
Ele também foi representante especial do secretário-geral na antiga Iugoslávia e enviado especial da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Antes de desempenhar estas funções, Annan serviu às Nações Unidas em outros postos e dedicou mais de 30 anos de sua vida à Organização, trabalhando em lugares tão diferentes como Addis Abeba (Etiópia), Cairo e Ismailia (Egito), Genebra (Suíça) e Nova York (Estados Unidos).

Boutros Boutros-Ghali (Egito) – 1992/1996

Boutros Boutros-Ghali (Egito) – 1992/1996

O egípcio Boutros Boutros-Ghali foi o sexto secretário-geral das Nações Unidas. Antes de ocupar o posto, foi vice-primeiro-ministro de Relações Exteriores e anteriormente, ministro das Relações Exteriores de seu país. Ele também foi membro do Parlamento egípcio e participou da secretaria do Partido Nacional Democrático em 1980. Até sua posse como secretário-geral da ONU, foi também vice-presidente da Internacional Socialista.
Durante quatro décadas, Boutros-Ghali participou de várias reuniões sobre direito internacional, direitos humanos, desenvolvimento econômico e social, descolonização, a questão do Oriente Médio, direito internacional humanitário, direitos das minorias étnicas e de outras minorias, sobre os não alinhados, desenvolvimento na região do Mediterrâneo e sobre a cooperação afro-árabe. Em 1978, Boutros-Ghali participou da negociação dos acordos de Camp David entre Egito e Israel, assinados em 1979.

Javier Pérez de Cuéllar (Peru) – 1982/1991

Javier Pérez de Cuéllar (Peru) – 1982/1991

O secretário-geral Javier Pérez de Cuéllar serviu na função por dois mandatos consecutivos. Ele começou a trabalhar no Ministério das Relações Exteriores do Peru em 1940 e iniciou sua carreira diplomática em 1944, servindo nas embaixadas do Peru na França, Reino Unido, Bolívia, União Soviética, Suíça, Polônia, Venezuela e Brasil.
Na ONU, foi membro da delegação peruana na primeira sessão da Assembléia Geral, em 1946 e, durante quase uma década, representante permanente do Peru nas Nações Unidas, respondendo pelo país também no Conselho de Segurança. Foi, ainda, representante especial do secretário-geral no Chipre, subsecretário-geral da ONU para Assuntos Políticos Especiais e representante pessoal do secretário-geral para o Afeganistão.

Kurt Waldheim (Áustria) – 1972/1981

Kurt Waldheim (Áustria) – 1972/1981

Kurt Waldheim foi o quarto secretário-geral da ONU e também ocupou o cargo durante dez anos. Waldheim iniciou sua carreira diplomática na Áustria em 1945 quando foi chefe do Departamento Pessoal do Ministério de Relações Exteriores e Observador Permanente das Nações Unidas para a Áustria. Mais tarde tornou-se chefe da missão austríaca, quando a Áustria foi admitida na ONU.
Waldheim foi representante permanente da Áustria na ONU e presidente do Comitê sobre Usos Pacíficos do Espaço Sideral e ocupou o posto de ministro das Relações Exteriores da Áustria. Depois de deixar o Governo, foi eleito, por unanimidade, presidente do Comitê de Salvaguarda da Agência Internacional de Energia Atômica, e tornou-se representante permanente da Áustria na ONU, cargo que manteve até ser eleito secretário-geral da ONU.

U Thant (Mianmar) – 1961/1971

U Thant (Mianmar) – 1961/1971

U Thant foi escolhido para liderar o organismo internacional quando o secretário-geral Dag Hammarskjöld morreu durante um acidente aéreo em setembro de 1961.
Antes de ser eleito para o cargo, ocupou diversos postos na área de educação e foi diretor de imprensa do Governo da Birmânia (hoje Mianmar) e secretário para o Governo da Birmânia no Ministério da Informação.
Na época de sua nomeação como secretário-geral interino das Nações Unidas, U Thant era representante permanente da Birmânia nas Nações Unidas, com o status de embaixador. Durante sua carreira diplomática, U Thant serviu várias vezes como conselheiro de primeiros-ministros da Birmânia.

Dag Hammarskjöld (Suécia) – 1953/1961

Dag Hammarskjöld (Suécia) – 1953/1961

Dag Hjalmar Agne Carl Hammarskjöld foi o segundo secretário-geral da ONU e ficou no cargo entre abril de 1953 e setembro de 1961, quando morreu num acidente aéreo perto da fronteira da República Democrática do Congo com a Rodésia do Norte (atual Zâmbia), durante um esforço de paz na região.
Antes de iniciar sua carreira na ONU, foi conselheiro do Gabinete de Problemas Econômicos e Financeiros e trabalhou no Ministério das Relações Exteriores da Suécia, onde era subsecretário responsável por todas as questões econômicas, tornado-se vice-ministro das Relações Exteriores. Foi também delegado da Conferência de Paris, em 1947, quando o Plano Marshall foi estabelecido.
Foi vice-presidente da delegação sueca na Sexta Sessão da Assembléia Geral da ONU em Paris, e presidente interino da delegação de seu país na Sétima Assembléia Geral em Nova York.

Trygve Halvdan Lie (Noruega) – 1946/1952

Trygve Halvdan Lie (Noruega) – 1946/1952

Trygve Halvdan Lie foi o primeiro secretário-geral das Nações Unidas, cargo que ocupou de 1946 até 1952, quando deixou o cargo.
Na sua juventude, foi secretário nacional do Partido Trabalhista, ministro da Justiça, ministro de Comércio e Indústrias e ministro de Abastecimento e Navegação de seu país. Durante a II Guerra Mundial, foi ministro das Relações Exteriores da Noruega, cargo que ocupou diversas vezes.
Lie liderou a delegação da Noruega na Conferência das Nações Unidas sobre Organização Internacional em São Francisco, em abril de 1945, e foi eleito presidente da Comissão que elaborou as provisões do Conselho de Segurança na Carta. Ele também foi presidente da delegação da Noruega na Assembléia Geral da ONU em Londres, em janeiro de 1946.