Número recorde de venezuelanos chega ao Peru; ONU intensifica resposta

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) enviou equipes adicionais nesta semana à fronteira entre Peru e Equador para apoiar as autoridades, após um número sem precedentes de migrantes e refugiados venezuelanos – mais de 15 mil – entrarem no Peru esta semana.

Na sexta-feira (14), mais de 8 mil venezuelanos cruzaram a fronteira em Tumbes, o número mais alto já registrado em um único dia. Destes, 4.700 pediram refúgio no Peru, também um número sem precedentes em um único dia.

A cada manhã, centenas de meninos e meninas atravessam a fronteira da Venezuela para entrar em ônibus que os levarão a uma escola em Cúcuta, na Colômbia. Abril de 2019. Foto: UNICEF/Arcos

A cada manhã, centenas de meninos e meninas atravessam a fronteira da Venezuela para entrar em ônibus que os levarão a uma escola em Cúcuta, na Colômbia. Abril de 2019. Foto: UNICEF/Arcos

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) enviou equipes adicionais nesta semana à fronteira entre Peru e Equador para apoiar as autoridades, após um número sem precedentes de migrantes e refugiados venezuelanos – mais de 15 mil – entrarem no Peru esta semana.

Na sexta-feira (14), mais de 8 mil venezuelanos cruzaram a fronteira em Tumbes, o número mais alto já registrado em um único dia. Destes, 4.700 pediram refúgio no Peru, também um número sem precedentes em um único dia.

“Pessoas estão chegando em uma situação mais e mais vulnerável”, disse Federico Agusti, chefe do ACNUR no Peru. “Algumas estavam andando por 30 ou 40 dias por vários países na região. Vemos pessoas sofrendo de má-nutrição ou desidratação e pessoas com problemas médicos. Há mais e mais famílias com crianças”, explicou.

As autoridades peruanas emitiram um comunicado no mesmo dia explicando que, por conta deste influxo massivo de refugiados e migrantes, um plano especial de contingência seria colocado em vigor. Além disso, refugiados venezuelanos agora precisam de passaporte e visto para entrar no país. Até então, venezuelanos precisavam apresentar apenas um documento básico, como a identidade, para entrar no Peru.

O número total de refugiados e migrantes venezuelanos no Peru agora é de cerca de 800 mil. No total, até o momento, o Peru recebeu mais de 280 mil pedidos de refúgio de cidadãos venezuelanos e emitiu permissões temporárias de residência para mais de 390 mil.

Autoridades peruanas, o ACNUR e seus parceiros, incluindo uma dúzia de organizações não governamentais, estão trabalhando para processar as chegadas, fornecendo assistência humanitária, assistência médica, informações e apoio legal para refugiados e migrantes em ambos os lados da fronteira.

De acordo com o ACNUR, as novas exigências de visto do Peru para venezuelanos estão gerando impactos na fronteira do norte do Equador com a Colômbia, por onde 8.380 venezuelanos entraram na sexta-feira, de acordo com autoridades.

A ONU e seus parceiros também estão presentes no local fornecendo assistência humanitária, serviços de proteção para salvar vidas e aliviar sofrimento, com apoio do governo do Equador e de grupos da sociedade civil.

Dada a escala da crise e os níveis de assistência exigidos, a ONU instou a comunidade internacional a aumentar seu apoio a países como Colômbia, Equador e Peru, que estão recebendo a maioria dos 4 milhões de refugiados e migrantes da Venezuela.

Até o momento, o Plano Regional de Resposta para Refugiados e Migrantes da Venezuela permanece severamente subfinanciado, com quase 80% dos fundos exigidos (580 milhões de dólares) ainda não cumpridos.

Nesta semana, a alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, irá visitar a Venezuela, de quarta-feira a sexta-feira, a convite do governo.

Durante a visita à capital, Caracas, ela irá se encontrar com o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e diversas autoridades do governo. Ela também irá se encontrar com o presidente da Assembleia Nacional e conversar com vítimas de violações e abusos de direitos humanos e representantes da sociedade civil.


Comente

comentários