Número de refugiados do Chifre da África no Iêmen bate recorde, afirma ACNUR

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, refugiados somalis e etíopes não estão cientes da situação de insegurança no país da península árabe.

Mais de 12 mil refugiados do Chifre da África se deslocaram para o Iêmen no mês de outubro, afirmou nesta sexta-feira (18/11) o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR). Segundo a agência, o número registrado no último mês foi recorde, contabilizando mais de 84 mil pessoas que procuraram refúgio no país da península árabe.

De acordo com a porta-voz do ACNUR em Genebra (Suíça), Melissa Fleming, com a temporada de navegação em alta, estima-se que o fluxo de refugiados em 2011 entre as duas regiões cresça ainda mais. Do total de chegadas este ano, mais de 23 mil são de pessoas provenientes da Somália, enquanto cerca de 61 mil são da Etiópia.

Fleming observou que muitas pessoas recém-chegadas do Iêmen não estão cientes da situação no país, onde a insegurança torna o deslocamento ainda mais difícil e arriscado. “Muitos etíopes dizem que deixaram suas casas devido à falta de oportunidades econômicas e de subsistência, mas alguns deram indícios de estarem fugindo com medo de perseguição ou por insegurança em suas regiões de origem”, afirmou.

A insegurança no Iêmen também impõe desafios ao trabalho do ACNUR e de seus parceiros, que foram obrigados a reduzir seus comboios e percorrer caminhos mais longos para chegar aos campos de refugiados. A agência também demonstrou preocupação com o aumento de sequestros, extorsões, abusos sexuais tendo os refugiados como alvo, principalmente migrantes etíopes.