Número de denúncias de violência sexual no Mali é ‘alarmante’, diz ONU

Relatos incluem sequestro, estupros públicos e sujeição à violência sexual na presença de familiares. Atos podem ser considerados crimes de guerra ou contra a humanidade.

Mulheres malianas refugiadas esperam com seus filhos para receber ajuda humanitária do ACNUR em Gaoudel, norte do Níger. (ACNUR/ H.Caux)A Representante Especial do Secretário-Geral sobre a Violência Sexual em Conflitos, Margot Wallström, condenou veementemente nesta terça-feira (11/04) os atos de violência sexual cometidos contra mulheres e meninas malianas durante os reincidentes conflitos no norte do Mali.

Segundo Wallström, é “alarmante” o número de relatos de violência sexual. “Denúncias incluem sequestro, estupros públicos e sujeição de mulheres e meninas à violência sexual na presença de seus familiares”, enumera. Apelando ao cumprimento por todas as partes envolvidas no conflito das obrigações com os direitos humanos, Wallström ressaltou que tais atos podem ser considerados crimes de guerra ou crimes contra a humanidade, pelos quais combatentes e comandantes serão responsabilizados.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas (CS) reforçou a urgência da implementação, por parte dos soldados rebeldes que tomaram o país em março, do acordo assinado na semana passada com a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (ECOWAS) para o restabelecimento da ordem constitucional.