Novo time de representação assume o escritório do UNFPA Brasil

Desde julho de 2015, Jaime Nadal Roig ocupa o posto de representante do escritório de país e Yves Sassenrath, o de vice-representante.

O novo representante do UNFPA no Brasil traz para o cargo mais de 20 anos de experiência no Sistema das Nações Unidas. Foto: UNFPA

O novo representante do UNFPA no Brasil traz para o cargo mais de 20 anos de experiência no Sistema das Nações Unidas. Foto: UNFPA

O escritório do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) no Brasil está com uma nova equipe de representação. Desde julho de 2015, Jaime Nadal Roig ocupa o posto de representante do escritório de país e Yves Sassenrath, o de vice-representante.

De nacionalidade espanhola, Nadal tem 20 anos de experiência contínua no Sistema das Nações Unidas, com uma rica e diversificada bagagem relacionada a políticas populacionais e a saúde sexual e reprodutiva e direitos. Mestre em demografia, atuou como representante dos escritórios do UNFPA na Bolívia e no Egito, entre outras notórias responsabilidades dentro do UNFPA e outras agências do Sistema.

Sassenrath também apresenta uma larga experiência no Sistema das Nações Unidas. De nacionalidade luxemburguesa, ingressou na ONU em 1999 e desde então acumulou experiências relacionadas à reforma das Nações Unidas e com a formulação e implementação de sistemas operacionais unificados para o sistema. Trabalhou no Fundo das Nações Unidas para o Desenvolvimento de Capital (UNCDF), Programa da ONU para o Desenvolvimento e o UNDOCO.

A nova representação assume o escritório no Brasil em um importante momento. Entre as particularidades de sua população, o país conta com mais de 52 milhões de pessoas jovens e 105 milhões de pessoas que se autodeclaram pretas ou pardas. Os números significativos ressaltam a necessidade do trabalho do UNFPA para garantir os direitos dessas pessoas.

Entre as prioridades do trabalho, Nadal destaca as desigualdades por raça, etnia e gênero. “Esses fatores podem, por sua vez, afetar questões como, por exemplo, a saúde materna, em que o país atingiu um avanço inegável e fundamental, mas onde há uma agenda pendente na qual podemos ir mais longe, abordando os determinantes sociais estruturais a que me referi”, disse o representante.

Leia a entrevista com o novo representante do UNFPA, Jaime Nadal Roig.