Notícias falsas sobre coronavírus colocam vidas em risco, diz UNESCO

Informações falsas e não confiáveis ​​estão se espalhando por todo o mundo a tal ponto que agora alguns comentaristas estão se referindo à nova avalanche de informações errôneas que acompanhou a pandemia de COVID-19 como uma “desinfodemia”.

E cresce o medo de que esse fenômeno esteja colocando vidas em risco, levando algumas pessoas com sintomas a tentar medicamentos não comprovados, na esperança de se curarem. A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) está liderando esforços para combater a desinformação e promover os fatos sobre o vírus.

Crianças na ilha de Vanuatu, no Oceano Pacífico, estão aprendendo, graças ao UNICEF, a se proteger contra a COVID-19 lavando as mãos adequadamente. Foto: UNICEF Pacífico/Toangwera

Crianças na ilha de Vanuatu, no Oceano Pacífico, estão aprendendo, graças ao UNICEF, a se proteger contra a COVID-19 lavando as mãos adequadamente. Foto: UNICEF Pacífico/Toangwera

Informações falsas e não confiáveis ​​estão se espalhando por todo o mundo a tal ponto que agora alguns comentaristas estão se referindo à nova avalanche de informações errôneas que acompanhou a pandemia de COVID-19 como uma “desinfodemia”.

E cresce o medo de que esse fenômeno esteja colocando vidas em risco, levando algumas pessoas com sintomas a tentar medicamentos não comprovados, na esperança de se curarem. A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) está liderando esforços para combater a desinformação e promover os fatos sobre o vírus.

Disseminação de desinformação

Muito antes da pandemia, a UNESCO emitia alertas sobre o impacto que as transformações políticas, tecnológicas, econômicas e sociais tiveram na maneira como trocamos informações nos últimos anos, referindo-se à “contaminação” causada por algumas campanhas orquestradas de desinformação, que representam uma ameaça ao jornalismo baseado em fatos e, particularmente durante a atual pandemia, à vida das pessoas.

Guy Berger é o diretor de políticas e estratégias em matéria de comunicação e informação da UNESCO e um dos principais funcionários da agência em matéria de desinformação. Em entrevista ao UN News, ele explicou que informações falsas relacionadas a todos os aspectos da COVID-19 se tornaram comuns.

“Parece que não existe uma área intocada pela desinformação em relação à crise da COVID-19, desde a origem do coronavírus, passando pela prevenção e ‘curas’ não comprovadas, e abrangendo respostas de governos, empresas, celebridades e outros.”

Ele acrescentou que “em uma época de altos medos, incertezas e incógnitas, há um terreno fértil para informações falsas florescerem e crescerem”. O grande risco é uma informação falsa ganhar força e negar a importância de um corpo de fatos verdadeiros, disse.

“Quando a desinformação é repetida e amplificada, inclusive por pessoas influentes, o grave perigo é que as informações baseadas na verdade acabem tendo apenas um impacto marginal.”

Devido à escala do problema, a Organização Mundial de Saúde (OMS), que lidera a resposta da ONU à pandemia, adicionou uma seção de “caçadores de mitos” às suas páginas de recomendações online sobre o novo coronavírus.

O site refuta uma série impressionante de mitos, incluindo alegações de que beber bebidas alcoólicas potentes, exposição a altas temperaturas ou, inversamente, tempo frio, pode matar o vírus.

Berger observou que algumas pessoas acreditam, erroneamente, que jovens ou descendentes de africanos são imunes (algumas desinformações têm um tom racista ou xenofóbico) e que aqueles em climas quentes ou em países onde o verão está a caminho não precisam se preocupar. A provável consequência, diz ele, é a complacência, que pode alimentar mais mortes prematuras.

O funcionário da UNESCO também apontou um exemplo mais prejudicial de desinformação: incentivar a ingestão de medicamentos aprovados para outros fins, mas ainda não clinicamente comprovados como eficazes contra a COVID-19.

Infelizmente, diz Berger, alguns capitalizaram a pandemia para espalhar a desinformação com o objetivo de promover suas próprias agendas.

“Os motivos para espalhar a desinformação são muitos, e incluem objetivos políticos, autopromoção e atração de atenção como parte de um modelo de negócios. Quem o faz, brinca com emoções, medos, preconceitos e ignorância, e afirma trazer significado e certeza a uma realidade complexa, desafiadora e que muda rapidamente.”

Mas, ele acrescenta, nem todos os responsáveis ​​por espalhar inverdades o fazem maliciosamente. Pessoas bem-intencionadas também estão circulando acriticamente conteúdo duvidoso. Quaisquer que sejam as razões, alerta ele, o resultado é o mesmo.

“Esses diferentes motivos exigem respostas diferentes, mas não devemos perder de vista o fato de que, independentemente da intenção, o efeito de compartilhar informações falsas é desinformar e desapoderar o público, com potencial mortal.”

Oferecendo e demandando fatos

Contra isso, o que pode ser feito para garantir que informações verdadeiras, úteis e potencialmente salvadoras de vidas ganhem maior destaque? A resposta da UNESCO, diz Berger, é melhorar o fornecimento de informações verdadeiras e garantir que a demanda seja atendida.

“Estamos enfatizando que os governos, para combater os rumores, devem ser mais transparentes e divulgar mais dados de maneira proativa de acordo com as leis e políticas de direito à informação. O acesso à informação de fontes oficiais é muito importante para credibilidade nesta crise.”

“No entanto, isso não substitui as informações fornecidas pela mídia. Por isso, também intensificamos nossos esforços para convencer as autoridades a ver o jornalismo livre e profissional como um aliado na luta contra a desinformação, principalmente porque a mídia trabalha abertamente na esfera pública, enquanto muita desinformação está fora do radar, em aplicativos de mensagens sociais.”

A UNESCO, continuou Berger, está particularmente pedindo aos governos “que não imponham restrições à liberdade de expressão que possam prejudicar o papel essencial de uma imprensa independente, e que reconheçam o jornalismo como um poder contra a desinformação, mesmo quando divulga informações verificadas e opinião informada que irritam aqueles que estão no poder”. “Há o argumento forte de que a mídia merece ser reconhecida e apoiada pelos governos como um serviço essencial neste momento.”

Para satisfazer a demanda por fatos oficiais, a UNESCO está circulando o máximo possível de informações confiáveis ​​sobre saúde pública, por meio da mídia, em parceria com agências como a OMS.

A UNESCO também está trabalhando para ajudar as pessoas a se tornarem mais críticas ao que lhes é apresentado online e em outros lugares como fato, para que sejam menos propensas a acreditar e espalhar mentiras.

Globalmente, a agência está usando as hashtags #ThinkBeforeSharing (pense antes de compartilhar), #ThinkBeforeClicking (pense antes de clicar) e #ShareKnowledge (compartilhe o conhecimento), e promovendo a visão de que os direitos à liberdade de expressão e acesso à informação são os melhores remédios para os perigos da desinformação.

Esses direitos, diz Berger, “permitem que os governos e o público tomem decisões baseadas em evidências sobre a realidade e criem respostas baseadas em valores da ciência e dos direitos humanos, permitindo que atravessemos a pandemia da melhor forma”.