‘Nomeação do primeiro-ministro é determinante para fim da crise em Guiné-Bissau’, diz ONU

A crise começou em meados de agosto após a decisão do presidente, José Mário Vaz, de dissolver o governo e exonerar o primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira.

O Conselho de Segurança ressaltou, nesta segunda-feira (21), que a recente nomeação de Carlos Correia como primeiro-ministro da Guiné-Bissau representa um passo importante para o fim da crise política no país, que começou em meados de agosto. Na ocasião, o organismo da ONU frisou a importância da formação de um novo governo o mais rápido possível.

Os 15 membros do Conselho parabenizaram o respeito pela Constituição e o Estado de Direito demonstrado por diferentes atores do país, incluindo a não interferência das forças de segurança neste momento e a maneira pacífica com que o povo guineense está acompanhando a situação política no país. A crise começou após a decisão do presidente, José Mário Vaz, de dissolver o governo e exonerar o primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira.

Guiné-Bissau é um dos países mais pobres do mundo e tem vivido graves instabilidades políticas desde a sua independência em 1974. A comunidade internacional, incluindo a ONU, fornece assistência em vários âmbitos com o objetivo de ajudar o país da África Ocidental a construir estabilidade, instituições democráticas e alcançar prosperidade econômica.