No Rio, ONU promove cine-debate sobre escravidão e desigualdades sociais no Brasil

O Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) realiza no dia 7 de maio, no Rio de Janeiro (RJ), um cine-debate sobre a história do tráfico de pessoas escravizadas e as consequências da escravidão para a formação da sociedade brasileira.

Evento acontece no Palácio Itamaraty da capital fluminense. Inscrições são gratuitas, mas participação está sujeita a lotação.

Imagem: UNIC Rio

Imagem: UNIC Rio

O Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio) realiza no dia 7 de maio, no Rio de Janeiro (RJ), um cine-debate sobre a história do tráfico de pessoas escravizadas e as consequências da escravidão para a formação da sociedade brasileira.

Na ocasião, será exibido o filme “1620-1789: Do açúcar à Revolta”, um dos episódios da série documental “Rotas da Escravidão”. Com direção de Daniel Cattier, Juan Gélas e Fanny Glissant, a obra retrata o período em que reinos franceses, ingleses, holandeses e espanhóis abriram novas rotas para o tráfico de pessoas escravizadas entre a África e o Novo Mundo, através do Oceano Atlântico. Estima-se que 7 milhões de africanos tenham sido transportados por esses trajetos.

O objetivo do cine-debate é preservar a memória dos efeitos históricos do tráfico de pessoas escravizadas e discutir as conexões entre a escravidão e as desigualdades de origem racial, étnica e social que ainda existem na sociedade brasileira.

A redução dessas desigualdades é um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 das Nações Unidas. Esse conjunto universal de metas foi acordado entre os países-membros da ONU em 2015 e prevê ações para acabar com a pobreza, promover a prosperidade e o bem-estar para todos, proteger o meio ambiente e enfrentar as mudanças climáticas.

A iniciativa do UNIC Rio também lembra o Dia da Abolição da Escravatura no Brasil (13 de maio) e o Dia Internacional em Memória das Vítimas da Escravidão e do Comércio Transatlântico de Pessoas Escravizadas (25 de março).

Após a exibição do filme, um debate contará com a presença de Fernanda Barros, doutora em Ciência Política pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e professora adjunta do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas em Direitos Humanos da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com atuação em Relações Raciais, Gênero, Direitos Humanos e Políticas Públicas; e Filó Filho, produtor cultural, mentor do Movimento Black Rio, fundador da Cor da Pele Produções, motivador da Cultura Negra no Rio de Janeiro e responsável pelo CULTNE – Acervo da Cultura Negra e pela Flisamba – Feira Literária do Samba e Resistência Cultural.

A mediação das discussões será feita por Rachel Quintiliano, oficial do Programa para Gênero, Raça e Comunicação do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA).

Serviço:
Cine-debate: Rotas da Escravidão – O tráfico de pessoas escravizadas e as raízes das desigualdades contemporâneas
Dia: 07 de maio de 2019
Horário: 14h
Local: Sala de Leitura do Palácio Itamaraty (Av. Marechal Floriano, 196 – Centro, Rio de Janeiro)

O evento é gratuito e sujeito à lotação do espaço.

O Palácio Itamaraty não permite a entrada de homens e mulheres de short ou bermuda.

Inscrições podem ser feitas até o dia 1º de maio através do formulário https://bit.ly/2Gq8Y54.

Informações para a imprensa:
Roberta Caldo – (21) 2253.2211 – caldo@un.org


Comente

comentários